arrow_upward
Home Sócios Contatos
PTEN

 

News: Pasta & Papel

 

Parceria TECNICELPA com IBC Papertraining 50% desconto
A Tecnicelpa estabeleceu uma parceria para formação com a IBC Papertraining que permitirá aos sócios da Tecnicelpa acederem aos conteúdos e-learning da IBC com um desconto de 50% nos valores de subscrição

A IBC Paper Training é especializada em consultoria e implementação de soluções de desenvolvimento humano para aumentar a eficiência, segurança e manutenção de seus processos. Assim como investir em um equipamento ou sistema de dados, aprimorar as habilidades do seu potencial humano, permite que você ganhe em produtividade.

Para aceder a estes cursos, utilize o link (internet) disponível e contacte a Tecnicelpa para validação das condições de desconto acordadas.

Data: 2021-05-11  |  URL: Ver Original

 

 

PITA Training OnLine - Modern Papermaking
24 e 25 Novembro 2020

Sócios da Tecnicelpa, beneficiam de um desconto de 20%, na inscrição neste evento da PITA


Data: 2020-10-21  |  URL: Ver Original

 

 

Adiada XXV Conferência TECNICELPA e XI CIADICYP para março 2021
O Mundo foi surpreendido por uma pandemia que condicionou todas as atividades previamente programadas, nomeadamente a nossa Conferência, agendada para outubro próximo.
Apesar do número muito significativo de resumos já recebidos, que em condições normais garantiriam um evento de sucesso, as limitações de convivência social, instabilidade económica e de livre circulação, levou-nos a concluir que a realização da Conferência em outubro teria elevados riscos de segurança e de possivelmente não reunir as condições adequadas. Assim, a Comissão Organizadora decidiu adiar a Conferência para os dias 10, 11 e 12 de março de 2021. O local será o mesmo anteriormente indicado, na cidade de Coimbra.

Confiantes de que tomamos a decisão mais segura para todos (organização e participantes), esperamos e desejamos encontrarmo-nos em Coimbra, em março de 2021.

Data: 2020-05-28  |  URL: Ver Original

 

 

XXV Conferência Internacional da Floresta, Pasta e Papel TECNICELPA - XI Ciadicyp 2020
Realização em outubro 2020 em Coimbra

Local - Hotel Vila Galé (Coimbra)


Data: 2019-09-03

 

 

XXIV Conferência TECNICELPA 2018 - Aveiro
Terminou a nossa XXIV Conferência Internacional da Floresta, Pasta e Papel - TECNICELPA 2018, na cidade de Aveiro.


Congratulamos todos os participantes pela forma como decorreu este evento e esperamos tê-los todos de novo na próxima edição.
Aproveitamos para informar alguns dados da Conferência:
Participantes Portugueses: 239
Participantes Estrangeiros: 56
Participantes sócios Tecnicelpa: 131
Apresentações orais: 34
Sessões plenárias convidadas: 2
Painel debate participantes: 5
Empresas representadas na Expocelpa: 14
Stands na Expocelpa: 19
Participantes de Universidades e Inst. Investigação: 43
Universidades e Institutos Investigação representados: 8

PARABÉNS A TODOS😁


Data: 2018-10-15  |  URL: Ver Original

 

 

Seminário ANDRITZ
Realizou-se no passado dia 28 de junho o seminário sobre "Stock preparation", patrocinado pela Andritz.


O seminário decorreu em Lisboa no Hotel Tryp Oriente e contou com a presença de vários técnicos das nossas empresas associadas, assim como de uma empresa espanhola.
As nossas saudações a todos os que puderam estar presentes, certos de que foi um dia muito proveitoso para todos, com a discussão de muitos detalhes técnicos de valor.
Até ao próximo evento, onde contamos continuar a partilhar conhecimento técnico e a promover o relacionamento entre as pessoas.


Data: 2018-06-28  |  URL: Ver Original

 

 

Realizou-se curso "Produção de papel", com a UBI
Dando continuidade à parceria estabelecida entre a Tecnicelpa e a Universidade da Beira Interior, decorreu nos dias 11, 12 e 13 de outubro 2017, o curso "Introdução ao processo de produção de papel", com a presença de 37 formandos.

A formação teve lugar nas instalações do CFIUTE, e incluiu pela primeira vez um módulo novo, exclusivamente dedicado ao papel tissue. O curso culminou com uma visita técnica à fábrica de papel tissue, Navigator Tissue Ródão. Aos anfitriões, os nossos sinceros agradecimentos pela amabilidade em receber e acompanhar este grupo.
A todos os que estiveram presentes, as nossas saudações pela participação, reiterando a oportunidade de se associarem à Tecnicelpa através do site www.tecnicelpa.com ou contacto direto com os nossos serviços.


Data: 2017-10-13  |  URL: Ver Original

 

 

Curso "Introduction to TISSUE manufacture" 16, 17 e 18 maio 2017
Curso no Hotel dos Templários dias 16 e 17 maio
Visita técnica à FAPAJAL, no dia 18 maio 2017

Realizamos pela primeira vez um curso dedicado inteiramente ao processo de produção de Tissue, com a colaboração da PITA (nossa congénere no Reino Unido). Com a participação de 38 formandos, foi uma jornada de dois dias completos no Hotel dos templários, a culminar com uma visita técnica, também pela primeira vez, à FAPAJAL, no terceiro dia.
A todos os que estiveram presentes, as nossa saudações pela participação e intervenção numa formação integralmente em Inglês, com muito exercício e amostras para tocar e sentir.
Os nossos agradecimentos à Fapajal, pela abertura e disponibilidade para com a Associação e à PITA pelo início desta parceria.
Veja as fotos no Facebook da Tecnicelpa


Data: 2017-05-18  |  URL: Ver Original

 

 

PRÉMIO FLORESTA E SUSTENTABILIDADE 2016 / CANDIDATURAS JÁ ABERTAS
O Prémio Floresta e Sustentabilidade está pela primeira vez a ser promovido pela CELPA, em parceria com o Correio da Manhã e o Jornal de Negócios, contando com o apoio técnico da PwC e o Patrocínio do Ministério da Agricultura.

O Prémio Floresta e Sustentabilidade é um prémio bienal que tem como objetivo reconhecer e distinguir projetos sustentáveis e inovadores que atuem na área dos recursos florestais.
São membros do júri do Prémio Floresta e Sustentabilidade Daniel Bessa (presidente); Amarílis de Varennes, do Instituto Superior de Agronomia; Carlos Amaral Vieira, da CELPA; Carlos Pascoal Neto, do RAIZ; Francisco Carvalho Guerra, da Forestis; Helena Pereira, do Centro de Estudos Florestais, ISA; João Branco, da Quercus; João Ferreira do Amaral, da AIFF; João Machado, da CAP; João Manuel Freire Gonçalves, do Centro Pinus; João Rui Ferreira, da APCOR; José Gaspar, da Escola Superior Agrária de Coimbra; Manuel dos Santos Gomes, da CONFAGRI; Maria do Loreto Monteiro, da CNA; Sofia Santos, da BCSD Portugal; Tito Joaquim da Silva Rosa, da LPN; Vitor Poças, da AIMMP (consulte o detalhe aqui).
O Prémio Floresta e Sustentabilidade está pela primeira vez a ser promovido pela CELPA, em parceria com o Correio da Manhã e o Jornal de Negócios, contando com o apoio técnico da PwC e o Patrocínio do Ministério da Agricultura.

Os interessados podem candidatar-se até 15 de Dezembro às categorias Sustentabilidade Florestal; Boas Práticas de Silvicultura; Projetos de I&D e Associativismo.


Data: 2016-08-03  |  URL: Ver Original

 

 

Tecnicelpa realizou seminário sobre "Refinação de pasta"
Seminário "Refinação de Pasta : Pulp refining". Tomar, 27 de novembro 2015
Realizou-se no tradicional Hotel dos Templários, em Tomar, reunindo uma população alargada a quase todas as empresas produtoras de papel em Portugal, desde o Tissue, o Kraft, até ao papel Impressão e escrita.

As apresentações decorreram maioritariamente em inglês, nas quais contamos com a intervenção da Valmet durante toda a manhã. Neste espaço foram explicados conceitos básicos de refinação, novas tecnologias de refinação, assim como equipamento de análise integrado.
Após o animado almoço convívio, que continua a ser marcado pelos momentos de reencontros e memórias de vivências anteriores, passamos de novo ao programa. Retomamos com a intervenção da AFT, sobre os discos refinadores, seguindo-se as intervenções, em português, do Engº Mendes de Sousa do Raiz, onde apresentou estudos que tem vindo a desenvolver sobre a utilização de enzimas no processo de refinação de pastas. Na continuação, a Sertec 20 apresentou também resultados sobre as melhorias possíveis de obter no processo de refinação, com a incorporação de enzimas. Esta técnica, para já mais experimentada pela área do tissue, é ainda algo de novo para os processos de produção de outros tipos de papel, motivo pelo qual levantou um interessante conjunto de perguntas e respostas no final do evento, moderado pelo Engº Carlos Silva, a quem a Tecnicelpa agradece toda a colaboração dada para a concretização deste importante seminário.
Um grande bem haja a todos os presentes, com votos de boa continuação.


Data: 2015-11-27

 

 

Seminário "Gestão integrada da água em contexto industrial: tratamento e (re)utilização". Tomar, 29 de setembro 2015
Realizou-se este seminário no Hotel dos Templários, sobre um tema de utilização comum a todas as fábricas, empresas e uso doméstico: a ÁGUA.

Tratou-se de um evento com um programa bastante abrangente, desde a história da redução dos consumos de água nos processos de produção de pasta e de papel, passando pela "Legionella" em meios aquáticos, a água na produção de energia e por fim as apresentações de equipamentos de tratamento e filtração de água, levado a efeito pelas 4 empresas convidadas.
O painel das empresas formado pela Aquaservice, a Enkrott, GE Power and Water e ainda a Pall, foi moderado pelo Engº Vitorino Beleza, a quem a Tecnicelpa agradece toda a colaboração dada para a concretização deste importante seminário.
Um grande bem hajam a todos os presentes e não esqueçam que a água é um bem essencial e finito.


Data: 2015-09-30

 

 

Nova fábrica de papel investe 30 milhões em Vila Velha de Ródão
O arranque da obra acontecerá no início do próximo ano. A fábrica criará "mais de 40 postos de trabalho"

Uma nova fábrica de produção de bobines de papel ‘tissue' vai instalar-se em Vila Velha de Ródão, um investimento que ronda os 30 milhões de euros, disse hoje à agência Lusa o presidente da câmara local.
"Trata-se de mais um investimento significativo para Vila Velha de Ródão. São cerca de 30 milhões de euros e a criação de mais 40 postos de trabalho, o que vem consolidar o ‘cluster' do papel em Ródão", disse Luís Pereira.
O autarca explicou que o projecto Paper Prime está ligado a um grupo português do distrito de Coimbra (Trevipapel) que, numa primeira fase, irá produzir bobines de papel ‘tissue'.
"O projecto já está em execução e, se tudo correr bem, o arranque da obra irá acontecer no início de 2016", adiantou.
Luís Pereira adiantou ainda que os terrenos para a instalação da nova fábrica foram cedidos pela Câmara de Vila Velha de Ródão, no distrito de Castelo Branco, e ficam situados na nova área de expansão industrial


Data: 2015-09-03  |  URL: Ver Original

 

 

Renova aposta na produção de papel de qualidade superior com investimento de 40ME
A "máquina de papel número 7", cuja entrada em funcionamento está prevista para o segundo semestre de 2016, permitirá aumentar a capacidade de produção em 50%.

A Renova, Fábrica de Papel do Almonda, em Torres Novas, vai apostar numa tecnologia inovadora na Europa para produzir papel tecido de qualidade superior, "com mais volume, mais macio e mais absorvente", um investimento de 40 milhões de euros hoje apresentado.
Paulo Pereira da Silva, presidente executivo da Renova, apresentou hoje o plano de investimento numa visita que marcou o início de uma semana que o vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, quer dedicar à divulgação de projetos de investimento em curso no país.
A "máquina de papel número 7", cuja entrada em funcionamento está prevista para o segundo semestre de 2016, vai permitir à Renova aumentar a sua capacidade de produção de papel em 50%, dando continuidade ao plano de expansão anunciado em abril e que passa pela instalação, até ao final do ano, da primeira fábrica fora do país, em França.
Paulo Pereira adiantou que a fábrica em França, um investimento de 10 milhões de euros, será destinada apenas à transformação, continuando a produção de papel a fazer-se no concelho de Torres Novas.


Data: 2015-08-24  |  URL: Ver Original

 

 

Máster en Ingeniería de Papel. Curso 2015-2016
Escuela de Ingeniería. Terrassa. Barcelona. España

Este programa que tiene la vocación de formar los ingenieros papeleros del futuro.
Como siempre ha sucedido, la demanda de titulados en Ingeniería del Papel así como su conversión e impresión, por parte de la industria, sigue siendo superior a los alumnos titulados egresados.
Los estudios papeleros constituyen una buena oportunidad profesional, ya que el papel y todo lo con él relacionado seguirá siendo muy importante en el futuro. No hay que olvidar que el papel sigue siendo la materia prima más importante de toda la industria de impresión y conversión. El ámbito de conocimiento de este Máster tiene como conductor el material papel y sus afines, teniendo en cuenta su procedencia, fabricación de pastas, y muy especialmente sus utilizaciones, conversión, packaging, e impresión del papel y cartón.
Las diversas asignaturas que siguen este máster darán al alumno una visión completa de toda la cadena del papel desde el árbol al producto impreso.
Los profesores que imparten este máster tienen una amplia experiencia tanto docente como investigadora y están integrados en el grupo de investigación de la Universidad Politécnica de Cataluña (UPC) CELBIOTECH que engloba específicamente las temáticas relacionadas con la ingeniería y biotecnología de los materiales lignocelulósicos y todo lo referente a la fabricación de pastas, papel, así como su manipulación e impresión.
Para la formación práctica de los alumnos se ha contactado con un buen grupo de empresas que ofrecen estancias en sus instalaciones, talleres y fábricas.
Una de las salidas de éste máster puede ser la investigación en el caso de personas que se sientan atraídas a este campo.
En la difusión de éste máster está colaborando muy activamente ASPAPEL, que es la asociación empresarial de fabricantes españoles de papel.
Link de información del máster: http://aspapel.es/sites/default/files/destacados/doc_351.pdf
Linkinformación grupo CELBIOTECH: https://celbiotech.upc.edu
Para más información contactar con prof.T.Vidal: tvidal@etp.upc.edu


Data: 2015-07-01

 

 

Seminário "Segurança no transporte, armazenamento e manuseamento de químicos nas industrias de celulose e papel"
Decorreu em Coimbra, 5 Maio 2015, Quartel de Bombeiros Sapadores de Coimbra

Este evento revestiu-se de alguma diferenciação, quer pelo local escolhido, quer pelo caràter prático da apresentação que, decorreu no Quartel dos Bombeiros Sapadores de Coimbra, permitindo assim incluir um exercício de simulação, da intervenção dos BSC, num eventual acidente de derrame de produtos químicos numa via pública.
Contamos com a presença da ANTRAM, da APA, do grupo Portucel Soporcel, da DOW e da TJA, assim como a explicação e demonstração dos bombeiros, em exercício prático.
Agradecemos a todos os oradores pela sua disponibilidade e empenho na transmissão de conhecimentos, sobre uma matéria tão importante na segurança de todos, assim como congratulamos todos os presentes, pelo interesse demonstrado por este tema.
Votos de um bom trabalho e em SEGURANÇA.


Data: 2015-05-06

 

 

Seminário "Processos e tecnologia nas áreas de Caustificação e Forno de Cal"
No dia 4 de março 2015, decorreu no Hotel Lusitano na Golegã, um seminário TECNICELPA com o apoio da Valmet.
Neste evento bilingue, estiveram representadas todas as fábricas nacionais de pasta que utilizam este tipo de tecnologia e equipamento.
Tratou-se de uma excelente ocasião para apresentação e discussão de tecnologias usadas e problemas com que os técnicos se deparam no seu dia a dia. Foi ainda possível ouvir dois técnicos da Valmet, especialistas nestas áreas, cujas experiências pelo mundo inteiro partilharam com os presentes, tendo sido igualmente acessíveis e disponíveis no esclarecimento de várias questões, colocadas por uma audiência muito participativa.
Mais do que uma ação de formação, este evento pautou-se por uma sadia troca de experiências, apenas possível pelo carisma agregador da nossa Associação.

Data: 2015-03-09

 

 

TECNICELPA em parceria com UBI realiza curso sobre papel

Nos dias 22 a 24 de outubro 2014, teve lugar mais uma edição do curso sobre "Processo de Produção de Papel". Esta formação foi realizada com o apoio do CFIUTE (Centro de Formação e Integragão UBI Tecido Empresarial) e ainda da fábrica de Papel AMS BR Star Paper em Vila Velha de Ródão. Para além da formação em contexto de sala e laboratórios durante dois dias e meio, envolvendo professores e investigadores da UBI e ainda técnicos especializados de fábricas de Papel nacionais. No último dia, após a deslocação para Vila Velha de Ródão, os formandos foram recebidos na AMS BR Star Paper com um almoço, ao qual se seguiu a visita à fábrica, acompanhados pelas correspondentes descrições "in loco" de todo o processo produtivo.
Esta modalidade de formação seguida de visita técnica, teve uma excelente aceitação por parte dos presentes, que manifestaram o seu agrado por poderem ver logo de seguida os processos teóricos que lhes haviam sido apresentados em sala.
A Tecnicelpa agradece aos técnicos envolvidos e à AMS BR Star Paper a disponibilidade para este evento.


Data: 2014-10-27

 

 

TECNICELPA em parceria com UBI realiza curso sobre pasta

Decorreu entre os dias 1 e 3 de outubro 2014, mais uma edição do curso sobre "Processo de Produção de Pasta". Esta atividade teve o apoio do CFIUTE (Centro de Formação e Integragão UBI Tecido Empresarial) e ainda da fábrica de Pasta CELTEJO em Vila Velha de Ródão. Foram ministrados conhecimentos em contexto de sala e laboratórios durante dois dias e meio, envolvendo professores e investigadores da UBI e ainda técnicos especializados de fábricas de Pasta nacionais. No último dia, após a deslocação para Vila Velha de Ródão, os formandos foram recebidos na CELTEJO com um almoço, seguido de uma visita á fábrica, acompanhados pelas correspondentes descrições "in loco" de todo o processo produtivo.
Esta modalidade de formação seguida de visita técnica, teve uma excelente aceitação por parte dos presentes, que manifestaram o seu agrado por poderem ver logo de seguida os processos teóricos que lhes haviam sido apresentados em sala.
A Tecnicelpa agradece aos técnicos envolvidos e à Celtejo a disponibilidade para este evento.


Data: 2014-10-08

 

 

Grupo Portucel Soporcel foi distinguido com o prémio Melhor Campanha de Responsabilidade Social

O Grupo Portucel Soporcel foi distinguido com o prémio Melhor Campanha de Responsabilidade Social com a acção “Dá a Mão à Floresta”, no Grande Prémio APCE 2013 (Associação Portuguesa de Comunicação Empresarial).

O prémio foi entregue no passado dia 2 de Julho na Grande Gala do Grande Prémio da APCE 2013- Excelência em Comunicação- um galardão que distingue a Excelência na Comunicação Organizacional, estimulando, reconhecendo e divulgando as iniciativas dos profissionais desta área.

A entrega deste prémio representa um reconhecimento publico do trabalho que o Grupo tem vindo a desenvolver em nome da valorização da floresta portuguesa, mas representa também o esforço de uma equipa multidisciplinar que diariamente contribui com a sua dedicação, empenho e entusiasmo para que esta acção seja possível.


Data: 2013-07-04  |  Fonte: Grupo Portucel Soporcel

 

 

Realizou-se 6ª Edição do Curso de Papel na UBI
Decorreu entre os dias 10 e 12 de Abril a 6ª Edição do curso "Processo de produção de papel" fruto de uma cooperação entre a TECNICELPA e a Universidade da Beira Interior.
Tratou-se de mais uma edição de um curso já tradicional da Tecnicelpa, que procura desenvolver as aptidões dos técnicos papeleiros e colaboradores do setor da pasta e do papel. Desta vez a organização teve a especial participação do CFIUTE - Centro de Formação Interação UBI Tecido Empresarial, desenvolvendo todos os requisitos necessários a obter o reconhecimento de formação certificada.
Os participantes eram originários de todas as partes do setor, desde a pasta, passando pelos fabricantes dos vários tipos de papel, investigação e empresas fornecedoras.
É de felicitar a organização pelo excelente trabalho desenvolvido na preparação da ação, assim como pelas infraestruturas disponibilizadas.
Foi uma experiência muito enriquecedora, não só pelo conhecimento teórico e demonstração prática, mas também pela partilha de experiências dos diversos setores.

Data: 2013-04-18

 

 

Participação da TECNICELPA na ABTCP 2012
A TECNICELPA, co-realizadora do congresso ABTCP 2012, entre os dias 9 e 11 de Outubro, teve a honra de apresentar no "Panorama Sectorial", uma palestra proferida pelo Sr. Engº Carlos Vieira do gPS, a convite da organização. A comitiva Portuguesa teve uma prestação exemplar, merecedora do aplauso da Tecnicelpa e de todos os associados.
A TECNICELPA, co-realizadora do congresso ABTCP 2012, entre os dias 9 e 11 de Outubro, teve a honra de apresentar no "Panorama Sectorial", uma palestra proferida pelo Sr. Engº Carlos Vieira do gPS, a convite da organização. A comitiva Portuguesa teve uma prestação exemplar, merecedora do aplauso da Tecnicelpa e de todos os associados.

Data: 2012-10-25  |  URL: Ver Original

 

 

Grupo Portucel Soporcel distinguido com o Troféu de Exportação Português
O grupo Portucel Soporcel foi distinguido, nos Troféus Luso-Franceses, com o prémio “Troféu de Exportação Português”, na categoria de “Grandes Empresas”, que distingue uma empresa portuguesa pela qualidade dos seus resultados na exportação para França.

Numa iniciativa organizada pela Câmara de Comércio e Indústria Luso-Francesa (CCILF), os prémios foram entregues numa cerimónia que decorreu em Lisboa e contou com a presença de Miguel Guedes em representação do Ministro de Estado e Ministro dos Negócios Estrangeiros, Vital Morgado da AICEP, Helena Duarte do IPAMEI e Pascal Teixeira da Silva, Embaixador de França em Portugal. Os Troféus Luso- Franceses foram criados com o objectivo de incentivar as trocas comerciais entre Portugal e França, distinguindo o esforço e o sucesso obtidos pelas empresas no desenvolvimento de estratégias e investimentos em ambos os mercados.
Esta distinção vem reconhecer o desempenho do grupo Portucel Soporcel e o seu papel estruturante para a economia nacional, bem como a posição de relevo que detém no mercado internacional de papel e de pasta de celulose. Encontra-se entre as três maiores empresas exportadoras do País, sendo possivelmente a que gera maior Valor Acrescentado Nacional, na medida em que os seus produtos são obtidos, maioritariamente, a partir de matérias-primas e recursos nacionais.
Em 2011, as exportações totalizaram mais de 1,2 biliões de euros, representando cerca de 3% das exportações portuguesas de bens, números que reflectem a importância do Grupo que exporta para 120 países nos cinco continentes. As suas exportações aumentaram em 7% face ao ano anterior e 95% das suas vendas de pasta de celulose e papel foram realizadas no exterior. No primeiro semestre de 2012, e apesar do difícil contexto económico, o volume de negócios do Grupo voltou a crescer, com as exportações a atingir os 618 milhões de euros, contribuindo fortemente para o equilíbrio da balança comercial portuguesa.
O grupo Portucel Soporcel é líder europeu na produção de papéis finos de impressão e escrita não revestidos (UWF) e 6º a nível mundial. É também o maior produtor europeu, e o quarto a nível mundial, de pasta branqueada de eucalipto BEKP - Bleached Eucalyptus Kraft Pulp e maior produtor nacional de energia a partir de biomassa.
França tem sido, ao longo dos anos, um dos principais mercados na actividade exportadora do grupo Portucel Soporcel, com vendas totais de pasta e papel superiores a 136 milhões de euros em 2011. Trata-se de um mercado especialmente exigente, apreciando desde há muitos anos a qualidade do papel produzido e comercializado pelo Grupo.
O Grupo é o principal exportador de papel fino de impressão e escrita não revestido para França, tendo em 2011 alcançado 16% de quota de mercado, com destaque para os segmentos de produtos transformados em folhas (papel de escritório e folhas para a indústria gráfica) onde a quota do Grupo ultrapassa confortavelmente os 20%.


Data: 2012-10-18  |  Fonte: grupo Portucel Soporcel

 

 

Grupo Portucel Soporcel obtém renovação do seu Certificado de GFS PEFC
O grupo Portucel Soporcel, através da PortucelSoporcel Florestal, Sociedade de Desenvolvimento Agro-Florestal, S.A.. (PSF) que tem a responsabilidade de gestão das áreas florestais da empresa obteve a renovação do certificado de Gestão Florestal Sustentável PEFC.

O grupo Portucel Soporcel, através da PortucelSoporcel Florestal, Sociedade de Desenvolvimento Agro-Florestal, S.A.. (PSF) que tem a responsabilidade de gestão das áreas florestais da empresa obteve a renovação do certificado de Gestão Florestal Sustentável PEFC.


Data: 2012-09-05  |  Fonte: PEFC  |  URL: Ver Original

 

 

Pöyry awarded Environmental Study, Basic Engineering and Detailed Engineering for site infrastructure contracts for the Klabin greenfield pulp mill project in Brazil
Pöyry's Industry Business Group has been awarded a services contract by Klabin S.A. for Environmental Study, Basic Engineering and Detailed Engineering for site infrastructure for a new pulp mill to be implemented in the state of Parana, southern Brazil. The parties have agreed that the value of the assignment will not be disclosed. The order has been booked into the first quarter 2012 order stock.

Pöyry's Industry Business Group has been awarded a services contract by Klabin S.A. for Environmental Study, Basic Engineering and Detailed Engineering for site infrastructure for a new pulp mill to be implemented in the state of Parana, southern Brazil. The parties have agreed that the value of the assignment will not be disclosed. The order has been booked into the first quarter 2012 order stock.

Pöyry has earlier also conducted the conceptual and pre-feasibility studies for the project.

The capacity of the new state-of-the-art pulp mill is 1.5 million tonnes per annum and the start up of the mill is planned for the third quarter of 2014. The final investment decision is expected later this year. The raw material will be eucalyptus and pine from Klabin's own plantations.

The concept of the mill is based on the use of the best available technologies and the best environmental practices, which constitute a state-of-the-art pulp mill.

The contract strengthens Pöyry's position as the leading engineering solutions provider for the pulp and paper sector in the world.


Data: 2012-04-04  |  Fonte: PÖYRY PLC

 

 

Europac compra empresa portuguesa Recicom
O Grupo Europac, através da sua filial Europac Recicla, comprou a empresa portuguesa Recicom

Com sede na Figueira da Foz, "a Recicom é uma empresa de gestão e tratamento de resíduos perigosos e não perigosos e que a partir de agora passa a chamar-se Europac Recicla Figueira", diz a empresa espanhola num comunicado enviado à imprensa.
Actualmente, a Recicom gere 6.000 toneladas anuais de resíduos, "valor que a Europac quer aumentar substancialmente nos próximos meses".
Os três centros da Europac Recicla em Portugal gerem juntos160 mil toneladas de resíduos por ano, "o que significa uma quota de mercado de aproximadamente 20%, fazendo da Europac Recicla um dos principais players desta área em Portugal".
A Europac Recicla detém ainda centros de reciclagem em Lisboa e no Porto, "pelo que esta nova aquisição vai permitir uma maior cobertura do território nacional".
"A área da reciclagem é uma das apostas estratégicas da Europac que adquiriu também um centro de reciclagem em Espanha, na zona de Vallodolid, e que se dedica à destruição de informação e documentos confidenciais em todo o tipo de suportes, disponibilizando um novo serviço aos seus clientes espanhóis e portugueses", lê-se no mesmo comunicado.


Data: 2011-10-21  |  Fonte: Económico

 

 

Totally updated book series Papermaking Science and Technology now available
Latest knowhow on pulp and papermaking is now available in the totally updated book series Papermaking Science and Technology!

The Papermaking Science and Technology books provide a basis for university level education, for updating training courses and can be used as handbooks for the industry. They cover topics from economics and sustainable management to mechanical and chemical pulping, papermaking, coating, printing, testing and environmental management. The book series has been completed with a brand new book: Vol. 20 Biorefining of Forest Resources. The best Pulp and Paper industry professionals have contributed to the updating of the book series, and they provide their knowhow for everyone's use.

The book series is widely used as studying material and exam prerequisite at many universities around the world.

In addition to the hard cover versions, updated books and individual chapters can also be ordered as pdf files.

To order your own copy, please visit www.papermakerswiki.com/shop
or contact Paper Engineers’ Association’s office, e-mail: info@papereng.fi


Data: 2011-09-28  |  Fonte: Paper Engineers’ Association  |  URL: Ver Original

 

 

grupo Portucel Soporcel anuncia plantações experimentais em Moçambique
O grupo Portucel Soporcel anunciou a criação de um projecto florestal em Moçambique, país na costa oriental da África.

O grupo Portucel Soporcel anunciou a criação de um projecto florestal em Moçambique, país na costa oriental da África.
"Este projecto compreende operações numa área de 173 mil hectares de terreno na Zambézia, que deverão ser complementados com uma área adicional de 220 mil hectares na Província de Manica", informou a empresa.
"Trata-se de um projecto cuja concretização será realizada de acordo com os calendários próprios de um investimento desta natureza, o qual se estima venha a ter um forte impacto no país. Para a implementação do projecto foi criada, no final de 2009, a Portucel Moçambique.


Data: 2011-09-08  |  Fonte: CeluloseOnline

 

 

Aveiro: Assembleia Municipal reconhece interesse público da expansão da fábrica da Portucel
A Assembleia Municipal de Aveiro aprovou o reconhecimento de interesse público da expansão da fábrica da Portucel em Cacia, que representará um investimento na ordem dos 300 milhões de euros.

A Assembleia Municipal de Aveiro aprovou o reconhecimento de interesse público da expansão da fábrica da Portucel em Cacia, que representará um investimento na ordem dos 300 milhões de euros.
A decisão foi aprovada por maioria na sessão da Assembleia Municipal realizada na noite de segunda-feira, com os votos favoráveis de PSD, CDS-PP e PS, os votos contra do Bloco de Esquerda e a abstenção do PCP.
Com esta decisão, a Portucel pode avançar com o pedido de desafetação de 65 mil metros quadrados de terreno classificados como Reserva Agrícola Nacional (RAN) na zona adjacente às atuais instalações, que a empresa considera ser "condição necessária" para avançar com o projeto.
Numa carta enviada ao presidente da Câmara de Aveiro, o Conselho de Administração da Portucel admite a possibilidade de avançar com a expansão da fábrica de Cacia ou a construção de uma nova unidade fabril numa zona adjacente às atuais instalações.
Sem avançarem qualquer data para o início das obras, os responsáveis pela Portucel afirmam que o investimento deverá rondar os 300 milhões de euros e poderá representar a criação de cerca de 750 postos de trabalho.
O empreendimento deverá ocupar uma área de 184 mil metros quadrados, 65 mil dos quais estão inseridos em zona de Reserva Agrícola Nacional (RAN), segundo o Plano Diretor Municipal (PDM).
O presidente da Câmara de Aveiro, Élio Maia (PSD/CDS-PP), disse que este reconhecimento serve para "ganhar tempo", admitindo urgência em avançar com este processo.
"Este processo podia vir aqui [Assembleia Municipal] só no final da fase de elaboração do Plano de Pormenor, mas ao trazer agora, fizemo-lo para ganhar cerca de meio ano. A urgência está implícita nesta vinda cá", afirmou o autarca.
O presidente da Junta de Freguesia de Cacia, Casimiro Calafate, saudou o trabalho da Câmara em proporcionar este início do processo que, considerou, irá ser benéfico para Aveiro e região envolvente.
"Estamos a dar o primeiro passo para a possibilidade de construção de uma nova infraestrutura industrial que vai no prolongamento daquilo que há 57 anos esta empresa fez em Cacia e que vai perpetuar a sua atividade de desenvolvimento para Cacia e para a região de Aveiro", adiantou.
A Portucel, com sede em Setúbal, ocupa o terceiro lugar entre o conjunto das empresas exportadoras portuguesas. Tem uma capacidade produtiva de 1,55 milhões de toneladas de papel e de 1,35 milhões de toneladas de pasta, gerando um volume de negócios superior a 1.350 milhões de euros.


Data: 2011-05-30  |  Fonte: Lusa

 

 

Europac regressa aos lucros em 2010
A Europac que em Portugal detém a Gescartão, revelou que, em 2010, teve lucros de 26,4 milhões de euros. Em 2009, a empresa tinha registado prejuízos.

A Europac que em Portugal detém a Gescartão, revelou que, em 2010, teve lucros de 26,4 milhões de euros. Em 2009, a empresa tinha registado prejuízos.
O resultado líquido da Europac foi de 26,4 milhões, num período em que o EBITDA aumentou 172% em relação a 2009, para 95,25 milhões de euros.

Já as vendas globais cresceram 42% para 616,01 milhões de euros, revelou hoje a empresa em comunicado.

“A actividade em Portugal, onde o Grupo detém a maioria dos seus activos industriais, registou um forte crescimento, representando 75% do EBITDA e 48% das vendas agregadas do Grupo. As unidades em Portugal foram responsáveis por vendas agregadas de 388 milhões de euros, mais 30% do que no ano anterior, e as vendas consolidadas ascenderam a 288 milhões de euros (+35%)”, adianta a mesma fonte.

“O Conselho de Administração decidiu distribuir um dividendo de 0,07 euros por acção correspondente ao exercício de 2010 e, adicionalmente, propor na próxima Assembleia Geral de Accionistas a distribuição de um dividendo complementar de 0,05 euros brutos por acção. Em conjunto representam um total de 0,12 euros brutos por acção e um dividendo bruto de cerca de 10 milhões de euros, o que corresponde a um payout de 38%.”

O volume de negócios do papel kraftliner aumentou 46,7% em relação a 2009 devido aos aumentos do volume de vendas e à subida do preço do papel em 10,5% e 35,8%, respectivamente.

Quanto ao volume de negócios do papel reciclado, cresceu 36,2% em relação ao ano anterior, apoiado num aumento do volume de vendas de 7,9% e numa subida do preço médio de venda de 20,3% em Espanha e 27,9% na Europa.

“No que respeita à Energia, o volume de negócios aumentou 80% devido a factores como a entrada em funcionamento dos novos ciclos combinados de Dueñas (Palencia) e Viana do Castelo (Portugal), que começaram a funcionar em Julho e Novembro de 2010, respectivamente. Estes aumentaram a potência instalada em 94%, passando de 79 MW no primeiro semestre do ano a 153 MW instalados no final do exercício”, adianta a Europac.

O volume de negócios do sector do cartão aumentou 34,1% em 2010.


Data: 2011-03-10  |  Fonte: Negocios online

 

 

Altri com lucro recorde de 62 milhões
Produtora de pasta de papel exportou mais 86% em 2010
A Altri registou no ano passado um resultado líquido de 62 milhões de euros, valor que compara com os 10,9 milhões de euros negativos de 2009. O EBITDA da produtora de pasta de papel atingiu também o valor mais elevado de sempre na história da empresa, de 161 milhões de euros, crescendo 212% face aos 51,5 milhões registados no ano anterior.

Produtora de pasta de papel exportou mais 86% em 2010
A Altri registou no ano passado um resultado líquido de 62 milhões de euros, valor que compara com os 10,9 milhões de euros negativos de 2009. O EBITDA da produtora de pasta de papel atingiu também o valor mais elevado de sempre na história da empresa, de 161 milhões de euros, crescendo 212% face aos 51,5 milhões registados no ano anterior.

A empresa, que apresentou os resultados de 2010, avançou ainda que a margem EBITDA situou-se em cerca de 31,7%, o que "coloca a empresa entre as mais eficientes do sector a nível global".

As receitas atingiram 507 milhões de euros, mais 63% do que os 309,6 milhões registados em 2009 sendo que as exportações totalizaram 393 milhões de euros, aumentando 86% face ao ano anterior, passando a Altri a representar 1,1% das exportações totais de mercadorias de Portugal.

No ano passado, o investimento total do grupo, que detém a Celbi, Celtejo e Caima, foi de 26,8 milhões de euros. O endividamento nominal remunerado líquido ascendia, a 31 de Dezembro, a 718 milhões de euros, menos cerca de 82 milhões de euros do que um ano antes.

De acordo com a empresa, as necessidades de financiamento encontram-se integralmente asseguradas, detendo disponibilidades que, no final de 2010, ascendiam a 130 milhões de euros. “A Altri detém cerca de 100 milhões de euros de linhas de financiamento disponíveis e não utilizadas”, informou a empresa.

Em termos de produção de pasta, a Celbi registou um crescimento superior a 35% pela entrada em funcionamento da nova linha, cuja conclusão total se efectivou no primeiro trimestre de 2010. Já o ligeiro decréscimo de produção registado na Caima prendeu-se com o alargamento da paragem anual (Novembro de 2010), enquanto que a produção da Celtejo foi afectada pelo mix de produção de fibra curta/fibra longa, explicou a Altri.

Já as vendas líquidas de energia eléctrica produzida através de cogeração e de outros derivados florestais ascenderam em 2010 a 30 milhões de euros, um aumento de 133,4%.

Para 2011, o grupo perspectiva que durante o primeiro trimestre s sua actividade fabril seja afectada pela paragem anual da Celbi, que decorreu durante a segunda quinzena de Fevereiro, o que terá um impacto quer na produção, quer no nível de custos fixos.


Data: 2011-03-10  |  Fonte: Negócios online

 

 

Como é fabricada uma bateria de papel
Um grupo de investigadores da Universidade Nova de Lisboa inventou as primeiras baterias de papel do mundo. As baterias são carregadas pelo vapor de água existente no ar.

Um grupo de investigadores da Universidade Nova de Lisboa inventou as primeiras baterias de papel do mundo. As baterias são carregadas pelo vapor de água existente no ar.
Um grupo de investigadores da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa inventou as primeiras baterias de papel do mundo, que podem alimentar telemóveis e outros dispositivos eletrónicos. O grupo é liderado por Elvira Fortunato e Rodrigo Martins e as baterias são carregadas pelo vapor de água existente no ar, desde que a humidade relativa seja superior a 40%.Os cientistas inventaram também as primeiras biobaterias, que são carregadas pelos fluidos do corpo humano, como suor e plasma sanguíneo, e que se destinam a dispositivos como pacemakers.
Nas baterias de papel tudo começa com um vulgar papel de escrita, mas nas biobaterias é necessário um papel sintético que não se degrade no interior do corpo humano. Esse papel é feito a partir de um derivado de celulose, que é projetado num alvo usando campos elétricos, e que forma uma membrana de nanofibras. Depois, as etapas seguintes são comuns: deposição dos elétrodos e demonstração (caracterização morfológica e elétrica).


Data: 2011-01-24  |  Fonte: Expresso

 

 

Call for papers for the 2011 ZELLCHEMING conference and expo
Again at this conference Zellcheming is planning to have the Science and Innovation Platform which is directed towards potential speakers from science and industry working on research and innovation.

Again at this conference Zellcheming is planning to have the Science and Innovation Platform which is directed towards potential speakers from science and industry working on research and innovation. In 2011 there will be two principle themes:
-Advanced analytics (new analytical methods for the description of product quality driven by customer needs and new methods for process characterization and process control)
-Energy and material efficiency (aspects like innovative recycling, resource optimization, product design, innovative coating or applications of enzymes)
In addition to full papers or short communications there will be a poster presentation where PhD or doctoral students can present posters on their work. We would appreciate very much if you support the ZELLCHEMING platform on science and innovation by presenting your ideas and results to the principle themes.


Data: 2010-12-14  |  Fonte: Zellcheming  |  URL: Ver Original

 

 

European paper industry is at the core of green growth
The European pulp and paper industry today concluded its twelvth European Paper Week announcing that it is well prepared to play an important part in the upcoming bio-economy, which is one main political priority of the EU.

The European pulp and paper industry today concluded its twelvth European Paper Week announcing that it is well prepared to play an important part in the upcoming bio-economy, which is one main political priority of the EU.
“We are at the core of green growth. The paper industry is perfectly built to support the new bio-economy through it’s knowledge of renewable raw materials, recycling , bio-energy and use of by-products. Paper is part of the solution and our discussions over the last three days have shown how we can support green growth.” said Teresa Presas, Managing Director of CEPI.”
The three-day event brought together over 330 people from the pulp and paper industry, related organisations as well as different institutions and provides a high-level platform for discussion.
At a moment when the European Commission is presenting its flagship initiatives to implement the EU2020 strategy for smart, sustainable and inclusive growth, the CEPI Annual Meeting provided the opportunity to address some policy views and industry initiatives that could contribute to making green growth a reality.
A panel involving industry representatives from Europe and Canada, as well as Tony Long head of WWF EU Policy Office, and Lars Kjellberg, a paper analyst from Credit Suisse, debated the transformation of the pulp and paper industry and its potential to innovate, from different stakeholder angles.
The key plenary event held during the European Paper Week, saw the contributions from European Parliamentarian Herbert Reul, as well as from Mattia Pellegrini, member of the Cabinet of European Commission Vice President Antonio Tajani, responsible for Industry and Entrepreneurship. They outlined the contents of the new industrial policy, the innovation union as well as the raw materials strategy. Berry Wiersum, Chairman of CEPI said,” we welcome the European Commission proposal for an integrated industrial policy that putscompetitiveness at centre stage. We look forward to seeing it implemented in member states. Our sector is ready to deliver”.
The networking event of the year within the pulp and paper industry took place in Brussels at the Crowne Plaza – Le Palace Hotel in Brussels from 16-18 November. This year the event included four interactive seminars on a wide range of topics such as raw materials, climate policy, recycling and transport, which will help shape the work programme for CEPI over the coming year.


Data: 2010-11-25  |  Fonte: Cepi

 

 

Grupo Portucel Soporcel – Setúbal Vence prémio internacional «Green Energy and Biofuels»
O grupo Portucel Soporcel foi distinguido na segunda edição dos prémios da revista Pulp & Paper International (PPI), na categoria de Green Energy and Biofuels Award, um reconhecimento da estratégia de sustentabilidade seguida pelo Grupo na área das energias renováveis.

O grupo Portucel Soporcel foi distinguido na segunda edição dos prémios da revista Pulp & Paper International (PPI), na categoria de Green Energy and Biofuels Award, um reconhecimento da estratégia de sustentabilidade seguida pelo Grupo na área das energias renováveis.
A atribuição deste prémio é a confirmação internacional, não só dos avanços significativos do Grupo na área de produção de energia renovável, mas também do facto de ter realizado um programa estruturado de investimentos nesta área. Conforme definido na candidatura “…o júri está à procura de uma empresa que possa servir de exemplo para o sector.”
Esta estratégia bem sucedida insere-se numa lógica de uso integrado da floresta, conjugando as preocupações de conservação da biodiversidade com a obtenção de matéria-prima para a actividade produtiva e a utilização da biomassa residual florestal para a produção de energia.
Além da sua posição de maior produtor nacional de “energia verde” a partir desta fonte, o grupo Portucel Soporcel é também uma referência no domínio da energia renovável no sector internacional de pasta e papel.
O Grupo investiu cerca de 200 milhões em projectos relacionados com energia e estima-se que a, curto prazo, a produção anual total de energia do Grupo corresponda a 1,84 TWh sendo 1,17 TWh a partir de fontes renováveis, prevendo-se que, a partir de 2011, o grupo Portucel Soporcel venha a ser responsável por cerca de 5% de toda a energia eléctrica produzida no País, obtida em grande parte com recurso a este tipo de fontes.
A aposta do Grupo nas energias renováveis e nas melhores técnicas disponíveis faz das suas fábricas um modelo de sustentabilidade e eco-eficiência. De salientar, para além do aumento da produção de energia renovável acima referido, a utilização racional de energia e a optimização da eficiência energética dos processos produtivos. Desta forma, o Grupo dá uma expressiva contribuição para o cumprimento das metas ambientais a que Portugal está vinculado.
Prémios “Pulp & Paper International” distinguem empresas de pasta e papel
A RISI, líder mundial em informação para a indústria de produtos florestais, responsável pela edição da revista PPI, organiza estes Prémios que têm como objectivo distinguir a liderança, visão, inovação e as acções desenvolvidas pelas empresas de pasta e papel. Esta iniciativa é ímpar a nível mundial no reconhecimento do trabalho e dos resultados obtidos pelas empresas, fábricas e individualidades neste sector, reflectindo as melhores práticas existentes no mesmo. É uma oportunidade para as empresas mostrarem, numa plataforma global, os seus feitos e conquistas nas diferentes áreas distinguidas.
Mark Rushton, Editor da revista PPI, foi o presidente do júri dos Prémios PPI 2010 que contou também com a participação de várias personalidades do sector. A edição deste ano juntou candidaturas oriundas de várias partes do globo incluindo participantes do Brasil, Chile, Estado Unidos, Canadá, Arábia Saudita, Áustria, Espanha e Portugal, entre outros, tendo o júri salientado a qualidade dos projectos que estiveram em concurso.


Data: 2010-11-23  |  Fonte: alertas google

 

 

Novo tipo de papel ecológico é produzido a partir de pedra reciclada
O material, que pode substituir o papel, o cartão e o plástico, é fabricado a partir de minerais reciclados da indústria da construção. A empresa que o criou afirma que para produzir o equivalente a cada tonelada de pasta de papel convencional evita-se o abate de 20 árvores, a emissão de 1200Kg de CO2 e poupam-se 31 toneladas de água.

O material, que pode substituir o papel, o cartão e o plástico, é fabricado a partir de minerais reciclados da indústria da construção. A empresa que o criou afirma que para produzir o equivalente a cada tonelada de pasta de papel convencional evita-se o abate de 20 árvores, a emissão de 1200Kg de CO2 e poupam-se 31 toneladas de água.
Chega agora à Europa um novo tipo de papel ecológico criado nos EUA onde é comercializado desde 2004. O “TerraSkin” é produzido a partir de minerais em pó (75-80%) - mármore e calcário reciclados da indústria da construção - e uma resina não-tóxica (20-25%)- constituindo um material resistente à água, à gordura e ao óleo, que pode ser utilizado para produzir sacos, etiquetas auto-adesivas e cadernos.
Este tipo de papel inovador, que pode ser um substituto do papel convencional, cartão e plástico, é “verde” de múltiplas formas. Com efeito, por um lado trata-se de um material triplamente “amigo do ambiente” porque a sua produção não exige o consumo de madeira, de água ou de cloro.
Adicionalmente é necessária de menos 50% energia para o produzir, é 100% reciclável – desfaz-se ao fim de 3 a 9 meses de exposição – e acarreta menos 50% de emissões de CO2.
Segundo a “Design and Source”, responsável pelo invento, a produção do equivalente em “TerraSkin” a uma tonelada de pasta de papel convencional permite evitar o abate de 20 árvores, a emissão de 1200Kg de CO2 e poupar31 toneladas de água.
O senão deste papel inovador é o seu elevado custo uma vez que é 4 vezes mais caro que o papel convencional.
O produto será distribuído na Europa pela empresa “EmanaGreen”, que pretende fazê-lo chegar aos lares dentro de 5 anos. Segundo Ignacio Schmidt, director da empresa “Se todo o papel do mundo fosse deste novo material evitar-se-ia o abate de 3 mil milhões de árvores e a [emissão] do equivalente a 55 milhões de automóveis.


Data: 2010-11-22  |  Fonte: alertas google

 

 

Indústria papeleira é a 3.ª maior exportadora de Portugal
A indústria de base florestal é a terceira maior exportadora do país e, apesar da crise, há três anos consecutivos que tem vindo a reforçar o seu peso nos mercados estrangeiros, anunciou hoje a papeleira Portucel Soporcel.

A indústria de base florestal é a terceira maior exportadora do país e, apesar da crise, há três anos consecutivos que tem vindo a reforçar o seu peso nos mercados estrangeiros, anunciou hoje a papeleira Portucel Soporcel.

"As exportações da indústria papeleira [que gere quase 6 por cento da floresta portuguesa] representaram 10,6%, até Agosto, no total das vendas efectuadas por Portugal ao exterior, face a igual período de 2009, ocupando o terceiro lugar como maior exportador do país", disse hoje à agência Lusa o presidente executivo do grupo Portucel Soporcel, José Honório.

O gestor da papeleira, que falava à margem do seminário internacional "Biodiversidade, um valor com futuro", que hoje se realiza em Lisboa, garantiu que o peso do sector se tem vindo a reforçar, tendo passado de 9,9% em 2009 para 10,6% até Agosto deste ano, em relação ao total das exportações portuguesas.

"Esta é uma tendência que se tem vindo a acentuar nos últimos três anos, apesar da situação financeira difícil por que passa Portugal", disse José Honório, sublinhando que o modelo de negócio da indústria papeleira tem de assentar, cada vez mais, no respeito pela qualidade ambiental e pela responsabilidade social.

Neste sentido, a reflexão sobre a biodiversidade e o capital natural por parte dos agentes políticos, económicos e sociais, constitui hoje um dos vectores fundamentais para uma "estratégia de sucesso" empresarial neste sector, salientou.

Neste Ano Internacional da Biodiversidade (2010), a conservação dos valores naturais e a sua gestão na óptica da valorização económica e ambiental, constitui "um activo" a não esquecer, disse o especialista internacional Pavan Sukhdev, que chamou também a atenção dos governos, empresas e de outros agentes da sociedade, para que reconheçam o ecossistema como sendo fundamental para um desenvolvimento económico sustentado e criador de novos empregos.

"O Produto Interno Bruto (PIB) não captura o ecossistema como valor quantificável, mas nós sabemos que sem ele não há uma estratégia empresarial de desenvolvimento sustentado", disse Pavan Sukhdev, que lidera o projecto Economia dos Ecossistemas e da Biodiversidade.

"Os benefícios naturais não podem ser esquecidos e têm de ser equacionados, em simultâneo, com o capital humano", concluiu.


Data: 2010-11-12  |  Fonte: Jornal Oje

 

 

INAUGURAÇÃO DOS NOVOS INVESTIMENTOS NA CELBI
Foram inaugurados, no passado dia 2 de Julho, por Sua Ex.ª o Senhor Presidente da República, os recentes investimentos na CELBI, do grupo ALTRI.

Foram inaugurados, no passado dia 2 de Julho, por Sua Ex.ª o Senhor Presidente da República, os recentes investimentos na CELBI, do grupo ALTRI.

O Presidente da ALTRI, Eng. Paulo Fernandes, foi agraciado por Sua Ex.ª o Senhor Presidente da República com a Grã Cruz da Ordem do Mérito Industrial. No seu discurso, sublinhou a importância do projecto e a contribuição do mesmo para a reafirmação da ALTRI, como um dos principais exportadores nacionais.


Data: 2010-07-07

 

 

Altri aumenta capacidade de produção na Celbi.
A Altri inaugurou a 2 de Julho de 2010 os investimentos realizados no aumento de capacidade de produção na Celbi, a sua unidade de produção de pasta de papel na Figueira da Foz. Esta expansão reafirma a Altri como um dos produtores de pasta mais eficientes da Europa e reforça o seu papel entre os principais exportadores nacionais, sendo responsável por cerca de 1,5% das exportações em 2010.

A Altri inaugurou a 2 de Julho de 2010 os investimentos realizados no aumento de capacidade de produção na Celbi, a sua unidade de produção de pasta de papel na Figueira da Foz. Esta expansão reafirma a Altri como um dos produtores de pasta mais eficientes da Europa e reforça o seu papel entre os principais exportadores nacionais, sendo responsável por cerca de 1,5% das exportações em 2010.

O projecto de expansão da Celbi envolveu um investimento de 350 milhões de euros nos últimos três anos e vai permitir-lhe a duplicação da sua capacidade de produção da Celbi. Em resultado deste investimento, bem como do realizado no aumento da eficiência das outras unidades do Grupo, a Altri vai aumentar a capacidade nominal de produção para cerca de 900 mil toneladas/ano em 2010.

O sucesso dos investimentos realizados coloca a Altri entre os 10 maiores produtores mundiais de pasta de eucalipto e exportando mais de 95% da sua produção. Este sucesso é reforçado pela elevada recepção do mercado ao projecto, uma vez que a Altri já vendeu toda a sua capacidade de produção até ao final do ano. A Altri possui três unidades industriais – a Celbi, na Figueira da Foz, a Caima, em Constância, e a Celtejo, em Vila Velha de Ródão – sendo um dos produtores mais eficientes da Europa.

Para além de ser um produtor europeu de referência de pasta de papel de eucalipto, a Altri é um dos principais players na gestão florestal em Portugal, gerindo cerca de 82 mil hectares de floresta em Portugal, integralmente certificada pelo Forest Stweardship Council (FSC), uma das mais reconhecidas entidades certificadoras a nível mundial.

O Grupo está também presente no sector de energias renováveis de base florestal, nomeadamente na cogeração industrial através de licor negro, e na biomassa, através da EDP Bioeléctrica, uma parceria, detida em partes iguais, entre a EDP e a Altri, sendo o maior operador de biomassa em Portugal, com uma quota de mercado de cerca de 50%.


Data: 2010-07-07  |  Fonte: ALTRI

 

 

DESTAQUE SOBRE A INAUGURAÇÃO DOS NOVOS INVESTIMENTOS.
A Altri inaugurou na passado dia 2 de Julho de 2010, os investimentos realizados no aumento de capacidade de produção na Celbi com a presença do Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva. A cerimónia formal de inauguração dos investimentos, contou com a presença de mais de meio milhar de pessoas.

O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, considerou o investimento de 350 milhões de euros na modernização e expansão da Celbi como “exemplo dos investimentos necessários para Portugal ultrapassar a actual situação de crise económica”. Intervindo na cerimónia formal de inauguração da obra de modernização e expansão da Celbi, Cavaco Silva frisou que o investimento que permitiu duplicar a sua capacidade produtiva para cerca de 600 mil toneladas “tem relevância nacional”. “Estamos perante um investimento que, nos tempos de crise que atravessamos, se coloca no topo da prioridades da economia nacional”, disse. Sublinhou como características primordiais da actividade produtiva da Celbi o “elevado conteúdo de exportação” de pasta de papel, “elevada componente de factores de produção nacional” consubstanciada na matéria prima, oriunda da floresta portuguesa e uma “forte intensidade tecnológica”.
“Se dispuséssemos de um elevado número de investimentos com estas características não teríamos qualquer problema em enfrentar a crise que atravessamos”, declarou o Presidente da República. “Conseguiríamos aumentar a nossa capacidade exportadora,
reduzir as nossas importações e baixar significativamente as nossas necessidades de financiamento externo”, acrescentou.

Floresta: o potencial inexplorado
A floresta nacional ocupa 40% do território, motivo pela qual Cavaco Silva sugere que “se fosse aproveitada eficientemente seria “uma fonte de maior importância para a criação de riqueza e desenvolvimento local” e “uma das vantagens comparativas mais competitivas do nosso país”. Por outro lado , António Serrano, Ministro da Agricultura, igualmente presente na cerimónia, admitiu que “há muito trabalho a fazer no ordenamento, certificação e cadastro florestal”.
Já Paulo Fernandes, Presidente do Conselho de Administração da Altri, reafirmou que “estamos prontos para contribuir no aproveitamento de terrenos baldios, bem como para a rentabilidade de áreas que forma pasto de incêndios e continuam, hoje, desocupadas”. Para além de ser um produtor europeu de referência de pasta de papel de eucalipto, Paulo Fernandes reforçou a experiência do grupo Altri no sector florestal, sendo “um dos principais players na gestão florestal em Portugal, gerindo cerca de 82 mil hectares de floresta em Portugal, integralmente certificada pelo Forest Stweardship Council (FSC), uma das mais reconhecidas entidades certificadoras a nível mundial”.
Paralelamente ao projecto de expansão e modernização da Celbi foi construída uma central termoelétrica a biomassa florestal, pertencente à EDP Produção Bioelétrica, uma parceria, detida em partes iguais, entre a EDP e a Altri, sendo o maior operador de biomassa em Portugal, com uma quota de mercado de cerca de 50%. Este investimento foi de 75 milhões de euros.

Altri representa 1,5% das exportações

Esta expansão reafirma a Altri como “um dos produtores de pasta mais eficientes da Europa e reforça o seu papel entre os principais exportadores nacionais, sendo responsável por cerca de 1,5% das exportações em 2010” reforçou Paulo Fernandes. “O País necessita de empresas motivadas e autónomas do Estado” acrescentou.

Em resultado deste investimento, bem como do realizado no aumento da eficiência das outras unidades do Grupo, a Altri vai aumentar a capacidade nominal de produção para cerca de 900 mil toneladas/ano em 2010. O sucesso dos investimentos realizados, coloca a Altri entre os 10 maiores produtores mundiais de pasta de eucalipto e exportando mais de 95% da sua produção. Este sucesso é reforçado pela elevada recepção do mercado ao projecto, uma vez que a Altri já vendeu toda a sua capacidade de produção até ao final do ano.
Terminando a sua intervenção, Paulo Fernandes , definiu a cerimónia de dia 2 de Julho como “o dia mais importante para a Altri e para a Celbi e seguramente um dia importante para o país” frisou.


Data: 2010-07-07  |  Fonte: ALTRI

 

 

ANTIGA CASA POMPEU ANUNCIA REABERTURA APÓS O RUDE GOLPE DE 22 DE MARÇO 2009
No dia 22 de Março de 2009, A Antiga Casa Pompeu foi assolada por um incêndio de grandes dimensões, que destruiu por completo, as suas instalações e toda a sua frota, tendo sido este fatídico acontecimento, noticiado pelos três principais canais televisivos, bem como pela imprensa escrita.

No dia 22 de Março de 2009, A Antiga Casa Pompeu foi assolada por um incêndio de grandes dimensões, que destruiu por completo, as suas instalações e toda a sua frota, tendo sido este fatídico acontecimento, noticiado pelos três principais canais televisivos, bem como pela imprensa escrita.
Num cenário de crise nacional e internacional profundo, a Antiga Casa Pompeu, não cessou a sua actividade, manteve o seu quadro de pessoal e continuou a cumprir escrupulosamente as suas responsabilidades.
Consideramos que somos um bom exemplo para as PME´s portuguesas e todos os empresários, numa época onde os processos de insolvências e os despedimentos são cada vez mais frequentes, a Antiga Casa Pompeu mesmo sofrendo um rude golpe na sua estrutura, manteve uma atitude de luta e trabalho, sendo o nascimento desta nova estrutura, uma conquista digna de registo.
Desta forma é com enorme prazer que anunciamos a reabertura das novas instalações da Antiga Casa Pompeu, no dia 10 de Novembro de 2009.


Data: 2009-10-20

 

 

Nova Fábrica de Papel inicia testes de produção na data prevista.
O grupo Portucel Soporcel acaba de estabelecer um marco decisivo no seu crescimento com o início dos testes de produção da nova Fábrica de Papel em Setúbal no passado dia 15 de Agosto. O equipamento central da nova fábrica é a maior e mais sofisticada máquina do mundo para a produção de papéis finos de escritório e para a indústria gráfica.

Nova Fábrica de Papel inicia testes de produção na data prevista.

• Investimento de €550 milhões, gerador de elevado valor acrescentado, terá um impacto significativo na economia nacional;

• Eleva a produção de papel do Grupo para 1,5 milhões de toneladas anuais;

• O grupo Portucel torna-se o líder europeu na produção de papéis finos de impressão e escrita não revestidos (UWF);

• Reforça a capacidade exportadora do Grupo, que passará a representar cerca de 4% do total das exportações nacionais em 2010;

• Cria 350 postos de trabalho directos altamente qualificados.


O grupo Portucel Soporcel acaba de estabelecer um marco decisivo no seu crescimento com o início dos testes de produção da nova Fábrica de Papel em Setúbal no passado dia 15 de Agosto. O equipamento central da nova fábrica é a maior e mais sofisticada máquina do mundo para a produção de papéis finos de escritório e para a indústria gráfica.

A nova unidade, que será inaugurada pelo Senhor Presidente da República durante o mês de Novembro, irá situar a produção de papéis de impressão e escrita de elevada qualidade em 1,5 milhões de toneladas/ano, reforçando assim a presença do Grupo num sector onde é já hoje uma referência mundial e permitindo elevar a sua posição a líder Europeu neste tipo de papéis tão valorizados nos mercados internacionais. O Grupo passará a representar cerca de 4% do total das exportações nacionais em 2010, com um elevado coeficiente de valor acrescentado nacional (VAN).

A nova Fábrica de Papel de Setúbal terá um impacto significativo num sector estruturante para a economia nacional, como é o caso da fileira florestal do eucalipto e também ao nível da criação de emprego qualificado e do aumento das exportações de bens com alto valor acrescentado.

Para Pedro Queiroz Pereira, Presidente do Conselho de Administração, "Com a nova fábrica, o grupo Portucel Soporcel prossegue, apesar do contexto de crise, um vasto plano de desenvolvimento, que vai permitir consolidar a sua posição entre as principais empresas do sector a nível mundial. Este ambicioso projecto assenta na excelência operacional e na inovação tecnológica, não esquecendo uma das principais preocupações do Grupo - o Desenvolvimento Sustentável. A promessa «Mais Papel, Mais Floresta» é uma realidade graças à gestão sustentável das nossas plantações florestais”, acrescenta.

Todo o processo de construção da fábrica decorreu em grande ritmo permitindo a sua conclusão dentro dos prazos e do orçamento inicialmente previstos, e envolvendo soluções únicas e tecnologicamente inovadoras.

Segundo José Honório, Presidente da Comissão Executiva "Este projecto demonstra a capacidade empreendedora do Grupo e a elevada eficiência dos seus Colaboradores. A nova Fábrica de Papel irá reforçar ainda mais a nossa posição competitiva, colocando-nos num lugar de claro destaque entre os produtores Europeus de papéis não revestidos.”

A nova fábrica vai permitir ao Grupo dar resposta à crescente procura internacional pelas suas marcas e produtos permitindo-lhe reforçar posições nos mercados onde já está presente e alargar o leque de países onde realiza as suas vendas.

No quadro de recessão económica global e respectivo impacto na indústria, sem paralelo no passado do sector, no segundo trimestre de 2009 o grupo Portucel Soporcel obteve um crescimento no volume de vendas globais de papel de 3,8% face ao período homólogo.

Apesar da quebra de consumo no mercado europeu de papel ter atingido 16%, no primeiro semestre do ano, as actuais fábricas de papel do Grupo – Setúbal e Figueira da Foz – têm, no momento do arranque da nova unidade, uma carteira de encomendas que corresponde, em termos médios, a 4,5 semanas, quando a média da indústria europeia é de pouco mais de 3 semanas. De salientar que a nova Fábrica de Papel conta já com uma carteira de encomendas de 7 semanas, que se destina essencialmente a mercados não Europeus.


Máquina de papel é a maior e mais sofisticada do mundo

A nova fábrica de papel do Grupo é uma das maiores do mundo na produção de papéis de escritório e para a indústria gráfica e aquela que maior capacidade de produção terá com uma única máquina de papel. Esta máquina tem especificidades muito próprias e será diferente de qualquer outra máquina que o Grupo possui, a começar pela largura útil de papel (10,4 metros) e por alguns dos seus equipamentos que são totalmente inovadores, conferindo-lhe uma posição de maior vantagem competitiva. A conclusão deste investimento fecha o que se estima ser a única janela de oportunidade para investimentos neste sector dentro da Europa Comunitária.

A nova máquina de papel tem capacidade para 500 mil toneladas anuais, permitirá integrar em papel toda a pasta produzida no complexo de Setúbal (não sendo assim necessário um aumento de produção de pasta de papel), reduzindo a exposição do Grupo à grande volatilidade dos preços internacionais da pasta e acrescentando mais valor à floresta nacional. O novo equipamento está dimensionado para produzir 80 toneladas/hora a uma velocidade de 1 800 metros por minuto, o que significa uma produção de 30 metros de papel por segundo, originando rolos Jumbo com 116 toneladas cada um.

A área de transformação de papel está equipada com três máquinas de corte de papel de formatos gráficos e três máquinas de corte de papel de escritório - duas delas com capacidade de produzir 16 resmas em simultâneo, que são também as maiores até hoje fabricadas no mundo.

O armazém de bobinas de papel, totalmente automático, tem 93,2m de comprimento e 28,4 m de altura com capacidade para 6 000 bobinas, e uma cadência de entrada de 186 bobinas/hora e 164 bobinas/hora de saída. O armazenamento de paletes de papel é também efectuado em armazém automático, com 122 m de comprimento e 28,4 m de altura, com capacidade para cerca de 32 000 paletes e uma cadência de entrada de 215 paletes/hora e 320 paletes/hora de saída.

Associado à nova Fábrica de Papel foi também construído um parque com 35 000 m2, com capacidade para cerca de 1 000 contentores e um ramal interno de caminho de ferro com 935 m de linha, integrados no projecto logístico de expedição de papel desta nova unidade.


Criação de emprego e protecção ambiental

Outro impacto positivo que a nova fábrica tem na economia nacional, com especial enfoque no desenvolvimento da região de Setúbal, relaciona-se com a promoção de emprego qualificado. O Grupo integra actualmente mais de 2 200 colaboradores directos e com a nova fábrica foram criados 350 postos de trabalho directos altamente qualificados, para além de um significativo número de empregos indirectos. Mais de duzentas empresas trabalharam na obra de montagem da nova Fábrica, com mais de 1 600 pessoas por dia no estaleiro.

De referir que esta nova unidade industrial, que respeitará os mais exigentes padrões ambientais legalmente estabelecidos em Portugal e na União Europeia, tem associada a instalação, no perímetro do complexo fabril de Setúbal, de uma central de co-geração de ciclo combinado com turbinas a gás natural (80 MW), o que permitirá não só satisfazer as necessidades de energia eléctrica e de vapor da nova unidade fabril, mas também fornecer excedentes de energia à rede eléctrica nacional. Esta central entrou em funcionamento com o arranque da nova Fábrica de Papel sendo muito eficiente, do ponto de vista energético e ambiental, pois recorre ao gás natural, um combustível com um teor reduzido de carbono.


Sobre o grupo Portucel Soporcel

O grupo Portucel Soporcel é uma das mais fortes presenças de Portugal no mundo, actuando num dos sectores mais estruturantes da economia nacional e ocupando uma posição de grande relevo no mercado internacional de pasta e papel.

Grande produtor europeu de papéis finos não revestidos, o Grupo é ainda o maior produtor da Europa e um dos maiores a nível mundial de pasta branca de eucalipto.

O grupo Portucel Soporcel ocupa actualmente o 3º lugar no conjunto das maiores empresas exportadoras em Portugal e possivelmente o primeiro em termos de valor acrescentado nacional.

Ao dispor de uma capacidade produtiva actual de 1,55 milhões de toneladas de papel e de 1,35 milhões de toneladas de pasta (das quais cerca de 765 mil integradas em papel), o Grupo gera um volume de negócios anual superior a € 1 100 milhões, exportando mais de 950 milhões de euros para cerca de 90 países dos cinco continentes, o que representa aproximadamente 90% das suas vendas de papel e de pasta. É assim responsável por cerca de 3% das exportações portuguesas de bens que, em conjunto com as vendas no mercado português, correspondem a 0,7% do PIB nacional.

Com uma posição preponderante na fileira florestal do eucalipto, o grupo Portucel Soporcel é responsável pela gestão de cerca de 120 mil hectares de floresta. O Grupo obteve muito recentemente a certificação florestal do património florestal sob sua gestão pelo prestigiado sistema do PEFC - Programme for the Endorsement of Forest Certification Schemes, tendo também obtido a certificação pelo FSC – Forest Stewardship Council em Dezembro de 2007, o que representava, em Dez. 2008, 54% da floresta certificada em Portugal.

A nova Fábrica de Papel de Setúbal insere-se num plano mais vasto de desenvolvimento, modernização tecnológica, redução do impacto ambiental e aumento de capacidade de produção de energia do grupo Portucel Soporcel. Este plano está em vias de conclusão e compreende um total de investimentos de cerca de €900 milhões, distribuídos pelas unidades de Cacia, Figueira da Foz e Setúbal.


Data: 2009-08-27  |  Fonte: grupo Portucel Soporcel

 

 

Papeleiras: Associação do sector quer que Bruxelas mude prioridades e aumente flexibilidade
A Confederação Europeia das Indústrias Papeleiras (CEPI) quer que a Comissão Europeia altere algumas prioridades que condicionam a indústria papeleira, inerentes a apoios, custos e legislação, que condicionam o sector e «podem comprometer o seu futuro».

Num documento entregue em Bruxelas na segunda-feira à noite, e divulgado ontem pela CELPA, Associação da Indústria Papeleira Portuguesa, a CEPI pretende que a Comissão «melhore o equilíbrio entre os defensores dos interesses ambientais, da competitividade e do emprego na definição das suas políticas», reivindicando também uma «flexibilização nas regras da concorrência»
Uma outra pretensão da CEPI incide na «revisão do Sistema de Comércio de Emissões», para que a indústria papeleira «não seja prejudicada por políticas públicas», bem como «facilitar o acesso a matérias-primas, garantindo uma concorrência justa».
Aquela confederação pede ainda à Comissão para criar «condições para que a indústria europeia possa concorrer com agentes que têm menores custos energéticos», combate «aos proteccionismo em países concorrentes» e o «apoio de programas de investigação e desenvolvimento de novas tecnologias» visando a inovação.
Intitulado de "Manifesto para a Competitividade e o Emprego", o documento chama a atenção para «os impactos negativos da crise económica que estão a ser sentidos pela indústria europeia de pasta e papel», tendo a «procura diminuído drasticamente», com repercussões no investimento e no desemprego.
Segundo o mesmo, a «produção da maioria dos tipos de papel diminuiu entre 16 a 25 por cento face a anos anteriores», lutando o sector para «manter estáveis os 260 mil postos de trabalho».
A CEPI reporta-se ainda ao facto de o seu orçamento anual de cinco mil milhões de euros para investimentos «estar sob uma enorme pressão». Cerca de 1,8 milhões de postos de trabalho dependem directa e indirectamente da indústria papeleira, dos quais 63 por cento em áreas rurais.
No caso de Portugal, a CELPA adianta que o maior problema assenta na «diferença entre os grandes investimentos efectuados no sector nos últimos quatro anos, dois mil milhões de euros, e o reduzido investimento na recuperação da capacidade produtiva da floresta portuguesa».


Data: 2009-07-03  |  Fonte: AgroPortal

 

 

Museu do Papel acrescenta segunda “fábrica”.
O Museu do Papel Terras de Santa Maria venceu o “desafio inovador” a que se propôs: “ser, ao mesmo tempo, fábrica e museu”, sublinhou a sua directora.

Maria José Santos falava no acto inaugural das suas novas áreas. “O público acolheu este modo de ser, visitando-nos e mostrando o seu agrado”, afirmou.

A responsável salientou que o aproveitamento das instalações da antiga Fábrica dos Azevedos veio reforçar o papel do Museu do Papel de Paços de Brandão enquanto “espaço de criação de novas memórias”.

A intervenção visou criar novos espaços para o acolhimento de públicos e estruturar novas valências para os diferentes serviços.

Maria José Santos vincou que houve a preocupação de “respeitar os diferentes momentos do processo de fabrico do papel”.

Daí que, por exemplo, os espaços destinados a oficinas pedagógicas e à reciclagem de papel se localizem no piso ao nível do rio onde, ao longo de 200 anos, se produziu papel.

A nova “fábrica” do Museu passou a incluir áreas de acolhimento, com recepção, loja e cafetaria, serviços educativos com oficinas pedagógicas, um centro de documentação, biblioteca temática sobre a indústria do papel bem como arquivos familiares e empresariais.

O Museu do Papel Terras de Santa Maria foi inaugurado em Outubro de 2001.


Data: 2009-06-28  |  Fonte: Notícias de Aveiro

 

 

Pulp and Paper technical courses over the internet.
A company that goes by the name of IBC, based in France, is offering Pulp and Paper technical courses over the internet.
To register contact the TAPPSA (mwtappsa@iafrica.com) office now and learn more on how to conserve energy in the energy hungry section of your paper machine.

A company that goes by the name of IBC, based in France, is offering Pulp and Paper technical courses over the internet.

The presentation is transmitted via the internet and the sound is transmitted via land line (this avoids delays experienced with voice over internet protocol).

The beauty of this arrangement is that it is very cost effective, in that the lecturers do not have to travel from their own countries to the course venue (not to mention their much reduced carbon footprint). There is a one-off fee for each connection (venue) so 15 -20 people can register to be trained at a cost of R1750.00 each.

The first course on offer, using this e-learning technology is "Drying Section (Focus on saving energy)" and is to be held in the afternoons, over four days (four hours per day) from 8 to 11 June at Mondi Springs.

To register contact the TAPPSA (mwtappsa@iafrica.com) office now and learn more on how to conserve energy in the energy hungry section of your paper machine.



Course details:



Drying Section (Focus on Saving Energy)



Objectives

Better Understanding of all the different Technologies available

Understand the mechanism of water removal

How to supervise the Drying section to minimize Energy consumption



Who should attend?

Responsible personnel involved in the Production & Development who need a through understanding of the Drying Section.

Experienced staff who wish to get a deeper understanding of the Drying Section

Suppliers who would like to gain a better understanding of their customer needs



Programme



8th June 2009 14h30 – 18h30

1- Principle & Structure of a Drying Section

Drying technologies, energy consumption, latest development/requirement for a drying section

2- Paper Drying Mechanism

Water evaporation, water present in paper, thermal conductivity of paper



9th June 2009 14h30 – 18h30

3- Multi-cylinder Drying

Steam/Pressure/Condensate notion, Drying phases, Heat transfer in cylinder dryers (from steam to paper), Steam input, condensate thickness, condensate extraction, spoiler bars

4- Steam and Condensate System

Vapour recirculation system (Thermo-compressor, Cascade), condensate tank, condenser, steam supply to the paper machine, controlling pressure & differential pressure



10th June 2009 14h30 – 18h30

5- Air Impingement Drying/Infrared System

Principle, Different systems, Energy consumption, control system

6- Drying Air System

Hood types, dryer section ventilation (pocket ventilation concept)



11th June 2009 14h30 – 18h30

7- Heat Recovery

Role, Importance of Heat Recovery, Exchangers

8- Drying Fabrics

Role, evaporation, permeability, Structures, technical properties, cleaning

9- Impact of Drying on Paper Properties

Paper Structure & Properties, listing of defects & potential solutions


Data: 2009-05-18  |  Fonte: TAPPSA

 

 

XXI Encontro Nacional Tecnicelpa / VI Congreso CIADICYP 2010.
O XXI Encontro Nacional Tecnicelpa / VI Congreso Iberoamericano de Investigación en Celulosa y Papel - CIADICYP 2010 vai decorrer entre os dias 12 a 15 de Outubro 2010, no Centro de Reuniões da Feira Industrial de Lisboa (FIL, Parque das Nações), Portugal, numa organização conjunta da TECNICELPA (Associação Portuguesa dos Técnicos das Indústrias de Celulose e Papel) e da RIADICYP (Red Iberoamericana de Investigación en Celulosa y Papel).

O XXI Encontro Nacional Tecnicelpa / VI Congreso Iberoamericano de Investigación en Celulosa y Papel - CIADICYP 2010 vai decorrer entre os dias 12 a 15 de Outubro 2010, no Centro de Reuniões da Feira Industrial de Lisboa (FIL, Parque das Nações), Portugal, numa organização conjunta da TECNICELPA (Associação Portuguesa dos Técnicos das Indústrias de Celulose e Papel) e da RIADICYP (Red Iberoamericana de Investigación en Celulosa y Papel).
O evento decorrerá sob o tema de fundo “Novos Paradigmas na Indústria da Pasta e do Papel”, sendo realizado numa das mais bonitas capitais da Europa e num espaço de grande beleza, à beira do estuário do rio Tejo, a apenas 10 minutos do aeroporto internacional de Lisboa, e muito bem servido de acessos por comboio (Gare do Oriente) e por Metro.
Será sem dúvida um evento a não perder, dada a relevância da conferência, que incluirá a participação de reputados investigadores e técnicos da Europa e da América do Sul e do Norte, bem como de importantes empresas do sector, e que contemplará a visita a uma das maiores e mais modernas fábricas do Mundo, para papéis de impressão e escrita não revestidos.
Brevemente será disponibilizada a página web do evento, com todos os detalhes do mesmo, incluindo informação sobre as datas para apresentação de trabalhos e custos de participação. Marque na sua agenda!


Data: 2009-05-11  |  Fonte: Tecnicelpa/Ciadicyp

 

 

Grupo Portucel Soporcel aposta na prevenção de incêndios na Serra do Socorro.
No âmbito da sua política de defesa da floresta contra incêndios e gestão sustentável da floresta, o grupo Portucel Soporcel vai efectuar um conjunto de queimadas com o objectivo de reduzir o risco de incêndio.

No âmbito da sua política de defesa da floresta contra incêndios e gestão sustentável da floresta, o grupo Portucel Soporcel vai efectuar um conjunto de queimadas com o objectivo de reduzir o risco de incêndio. Realiza-se, em 6 de Maio de 2009, uma queima controlada de área de matagais no sopé da Serra do Socorro, no concelho de Mafra.


Esta acção irá permitir, segundo fonte da empresa, diminuir a carga combustível de uma forma eficiente, reduzindo o perigo de incêndio em áreas contíguas a zonas arborizadas; diversificar o mosaico do uso do solo; treinar equipas de combate no uso do fogo, aumentando a segurança dos combatentes e a eficácia das operações de extinção de uma forma planeada; e diminuir drasticamente a probabilidade de um incêndio progredir sobre estes povoamentos, danificando-os de forma definitiva.


Além destas áreas na Serra do Socorro, o grupo tem vindo a realizar um plano de trabalhos que inclui prevenção com recurso ao uso do fogo em Ponte de Lima, Valongo, Arganil, Penamacor, Fundão e Idanha-a-Nova.


Estes trabalhos obedecem a um plano de fogo controlado aprovado pela Autoridade Florestal Nacional (AFN) e Comissão Municipal de Defesa da Floresta contra Incêndios (CMDFCI), decorrendo as operações sob coordenação de técnicos credenciados e com apoio dos meios do grupo Portucel Soporcel.


Data: 2009-05-06  |  Fonte: Ambiente Online

 

 

Semapa comprou 4,3 milhões de acções da Portucel e passou a ter mais de dois terços da papeleira.
A Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, comprou em 21 de Abril de 2009 fora de bolsa, 4,3 milhões acções da Portucel, passando a deter mais de dois terços do capital da papeleira, informou a empresa produtora de pasta e papel.

Em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a papeleira informa que a Semapa adquiriu as acções no dia 21 de Abril, ao preço de 1,457 euros por acção, passando a ser titular de 88.156.723 acções da Portucel.

"Este número refere-se à titularidade directa, sendo o total de acções imputáveis a esta sociedade superior a dois terços do capital da Portucel", frisa o documento.

As duas empresas são lideradas por Pedro Queiroz Pereira e a Semapa tem vindo a reforçar na Portucel, tendo comprado 75.000 acções a 09 de Abril, ao preço de 1,39 euros por acção, de 87.000 acções também a 1,39 euros a 03 de Abril e de 125.000 acções por 1,40 euros cada a 6 de Abril.

Esta última aquisição de acções corresponde a uma troca de participações com a Seinpar (empresa participada), que desta forma vendeu, fora de bolsa, a 21 de Abril de 2009, as mesmas 4,3 milhões de acções da Portucel, ao preço de 1,457 euros por acção, segundo outro comunicado enviado à CMVM.

A Seinpar passou assim a deter 241.583.015 acções da Portucel.

Os títulos da Portucel seguem a desvalorizar 2,58 por cento, para 1,471 euros.


Data: 2009-04-27  |  Fonte: PUBLICO.PT

 

 

Botnia é o primeiro produtor a anunciar aumentos no preço da pasta.
A finlandesa Botnia anunciou que vai aumentar os preços da pasta a partir do próximo mês de Maio, tornando-se o primeiro produtor europeu a anunciar esta medida.

A finlandesa Botnia anunciou que vai aumentar os preços da pasta a partir do próximo mês de Maio, tornando-se o primeiro produtor europeu a anunciar esta medida.

De acordo com a agência noticiosa RISI, especialista no sector da pasta e papel, a Botnia pretende aumentar o preço da pasta de eucalipto para 500 dólares por tonelada, a partir de 1 de Maio.

A mesma fonte adianta que são vários os produtores europeus que estão a estudar o anúncio de uma subida dos preços, acompanhando a evolução dos preços da matéria-prima, que é cotada em bolsa.

Este aumento surge depois de várias reduções de preços, que resultaram da queda da procura devido à crise económica e que obrigou as fábricas de produção de pasta a reduzirem produção.
A Altri e a Portucel são dois dos maiores produtores de pasta da Europa.


Data: 2009-04-24  |  Fonte: Jornal de Negócios Online

 

 

Paulo Fernandes adquire mais 70 mil acções da Altri.
Títulos da empresa dispararam 8,34%. Participação é agora de 6,716 milhões de acções.

O presidente executivo da Altri, Paulo Fernandes, adquiriu mais 70 mil acções da empresa.

O reforço ocorreu entre os dias 21 a 24 de Abril. Na sequência desta compra, Paulo Fernandes passou a deter um total de 6.715.746 acções da Altri.

Os títulos da empresa fecharam em 24 de Abril de 2009 a disparar 8,34 por cento para 2,24 euros.


Data: 2009-04-24  |  Fonte: Agência Financeira

 

 

Europac compra duas fábricas da Mondi Packaging em França.
A Europac, grupo espanhol que controla a portuguesa Gescartão e outros activos, alcançou um acordo para adquirir duas fábricas à Mondi Packaging, em França, revela um comunicado divulgado ao mercado.

A informação, que se seguiu à suspensão dos títulos da Europac (Papeles y Cartones de Europa) na bolsa espanhola, refere a existência de um acordo para a compra das fábricas Mondi Atlantique e Mondi Savoie, por um montante estimado em 41,7 milhões de euros.

A comunicação também divulgada à CMVM, em Lisboa, refere, ainda, que o ebitda (resultado bruto) combinado das duas fábricas situou-se nos 8,7 M€, em 2008. A aquisição poderá gerar sinergias de até dois milhões de euros na operação da Europac em França.

As duas unidades agora adquirida pela Europac consumiram 125 mil toneladas de papel em 2008, ou 24% da capacidade de produção de papel reciclado do grupo Europac.

Somando as duas unidades adquiridas à Mondi, 74% do volume de vendas da Europac terão como origem os mercados francês e português, esclarece a empresa espanhola.


Data: 2009-04-15  |  Fonte: Dinheiro Digital

 

 

Semapa reforça na Portucel.
A Semapa comprou em bolsa 125 mil acções da produtora de pasta e papel, no dia 6 de Abril, ao preço de 1,40 euros por acção, passando a deter mais de 83,68 milhões de títulos da Portucel.

A Portucel explica em comunicado que a obrigação desta comunicação resulta do facto dos dirigentes da Semapa também serem dirigentes da Portucel.

Depois desta transacção, a Semapa, passou a ser titular de 83.686.723 acções da Portucel. "Este número refere-se à titularidade directa, sendo o total de acções imputáveis a esta sociedade superior a 2/3 do capital da Portucel", explica a empresa no mesmo documento.

Na sessão de 8 de Abril de 2009, as acções da Semapa desceram 1,69% para 6,38 euros, enquanto que os títulos da Portucel subiram 0,07% para 1,39 euros.


Data: 2009-04-13  |  Fonte: Jornal Económico

 

 

Portucel aguarda acordo fiscal para entrar no Uruguai.
Papeleira espera fim da dupla tributação para investir até dois mil milhões de euros no país sul-americano. Os Governos já estão a negociar.

A Portucel poderá em breve ver removido um dos obstáculos que se colocam ao investimento que pretende realizar na construção de um pólo industrial no Uruguai. O Governo português está neste momento a negociar um acordo para evitar a dupla tributação com aquele país sul-americano, o que facilitará o investimento da empresa liderada por Pedro Queiroz Pereira, que poderá ascender a dois mil milhões de euros.


Data: 2009-04-08  |  Fonte: Diário Económico

 

 

Altri sobe 2% após resultados acima do esperado.
As acções da empresa industrial estão em alta na bolsa nacional, depois de esta ter revelado em 25 de Março de 2009 que o seu lucro caiu 80% no ano passado, menos do que o temido.

Em 26 de Março de 2009, a Altri subia 2,05% para 2,04 euros, com 131.674 acções negociadas.

No dia anterior, a Altri revelou ter registado uma quebra de 80% para os 4,1 milhões de euros dos seus resultados anuais, mas este valor ficou ainda assim acima das expectativas dos analistas, que esperavam um recuo para os 2,2 milhões de euros.

Para os especialistas do CaixaBI, os principais riscos ao nível operacional para a Altri centram-se na "possibilidade de continuação da crise económica em moldes ainda mais desfavoráveis, com o impacto antecipado deste cenário na procura e nos preços de pasta de papel".

É esperado, no entanto, "uma contribuição favorável no que diz respeito ao custo da madeira, uma vez que os preços iniciaram um caminho descendente a partir do quarto trimestre de 2008 (devido ao nível de stocks da empresa no final de 2008, esta queda só deverá ter impacto nas contas no segundo trimestre de 2009)".

Dos seis analistas que acompanham a Altri, cinco recomendam a "compra" das acções da empresa e um aconselha "vender" o papel.


Data: 2009-03-27  |  Fonte: Diário Económico

 

 

Altri planeia triplicar exportações para a Alemanha.
A Altri quer, no curto prazo, triplicar as exportartações para a Alemanha - o maior mercado europeu de consumo de pasta e de papel - das actuais 80 mil para 250 mil toneladas.

A Altri quer, no curto prazo, triplicar as exportartações para a Alemanha - o maior mercado europeu de consumo de pasta e de papel - das actuais 80 mil para 250 mil toneladas.
O anúncio foi feito por Paulo Fernandes, presidente da empresa, que está a acompanhar a visita de Estado de Cavaco Silva à Alemanha, integrado numa comitiva de 34 empresários. “Queremos dinamizar as vendas e lançar as bases para um crescimento mais agressivo na Europa”, assegurou ao Negócios o empresário, que é também o principal accionista da empresa que edita o jornal.


Data: 2009-03-05  |  Fonte: Jornal de Negócios Online

 

 

Gomà-Camps entra no capital social da AMS-Papermill & Converting SA.
A Gomà-Camps de Portugal, filial portuguesa do Grupo Gomà-Camps, grupo papeleiro com mais de 250 anos de experiência no Sector, acaba de entrar no capital social da AMS-Papermill & Converting, juntando-se assim, na criação de uma unidade integrada de produção e transformação de papel tissue em Portugal.

Da parceria estabelecida resultou a alteração da designação da AMS-Papermill & Converting para AMS Gomà-Camps SA.

Da longa experiência do Grupo Gomà-Camps no mercado tissue aliada à inovação que aporta o projecto criado pela AMS, permitem que a parceria apresente vantagens competitivas consideráveis.

Com o início da actividade previsto para o terceiro trimestre de 2009, a capacidade produtiva a instalar aos mercados da Península Ibérica, Norte de África e Palop's.


Data: 2009-02-17  |  Fonte: AMS, Papermill and Converting SA

 

 

Portucel pode ser parceira da Ence no Uruguai.
A fabricante espanhola de pasta e papel Ence está à procura de um parceiro para avançar com a sua fábrica uruguaia de Punta Pereira, e a Portucel está entre as prováveis candidatas.

A fabricante espanhola de pasta e papel Ence está à procura de um parceiro para avançar com a sua fábrica uruguaia de Punta Pereira, e a Portucel está entre as prováveis candidatas.

A empresa espanhola anunciou, em finais de Janeiro, que havia seis grupos líderes no sector das florestas, da celulose e do papel interessados em participar no projecto e que essas empresas tinham “provada capacidade operacional e financeira”, segundo o “El País”.

Agora, a empresa estreitou esse leque para quatro intervenientes estrangeiros, noticia hoje a Reuters, que aponta a Portucel e as finlandesas Stora Enso e UPM como as mais prováveis candidatas.

“Estamos a negociar com quatro grupos internacionais europeus e americanos”, declarou à Reuters uma fonte próxima da Ence. No entanto, nenhuma destas três empresas confirmou o seu interesse à agência noticiosa, preferindo não tecer comentários. Contactada pelo Negócios, a Portucel também não deu ainda resposta.

“Neste momento, a Portucel está presente apenas na Europa e colocar um pé na América Latina seria claramente interessante para a empresa”, comentou à Reuters um analista da Espírito Santo Research, Luís Navia.

As brasileiras Votorantim Celulose e Papel e Suzano poderiam ser também candidatas, mas ambas afirmaram à Reuters não estar interessadas no projecto.

Num comunicado de Outubro, a Portucel afirmou que pretendia crescer fora de Portugal e que tinha analisado várias oportunidades de investimento na América Latina, tendo assinado acordos com o governo uruguaio para proceder a essa análise, relembra o “El País”. Com efeito, é sabido que a empresa portuguesa quer construir uma fábrica de celulose com capacidade de 1,3 milhões de toneladas anuais num país sul-americano.

A Ence espera encontrar um parceiro que pague cerca de 125 milhões de euros por uma participação de quase 50% na fábrica uruguaia de Punta Pereira e que contribua também com os mil milhões de euros que faltam para pôr a fábrica em funcionamento, salienta a Reuters.

Punta Pereira terá também uma capacidade de produção de 140 megawatts de energias renováveis. Na falta de um investidor, a Ence poderá ter que vender a fábrica ou adiar o projecto, diz a agência britânica.

“Integrar um parceiro no Uruguai colocaria a Ence numa posição mais descontraída para encarar o seu plano estratégico, afastaria os fantasmas de um aumento de capital e lançaria definitivamente um projecto que se tem revelado complicado desde o início e que é considerado estratégico para o futuro da companhia”, segundo se lê no “site” do “Invertia”.

Portucel integra consórcio espanhol para porto de águas profundas

Entretanto, a Portucel será uma das empresas que integrarão o consórcio responsável pela construção de uma mega-infraestrutura no porto uruguaio de águas profundas de La Paloma, segundo o “Periodista Digital”.

O investimento, no valor de 1.200 milhões de dólares, será liderado pela espanhola Benel, e a Portucel é uma das empresas interessadas, segundo a mesma fonte.

“A Portucel é uma das empresas que farão parte do consórcio que vai concorrer à licitação. Será depois o governo que determinará a adjudicação”, declarou o representante da Benel, Julián Roa Haro.

O projecto contempla o desenvolvimento de um porto multimodal, com um terminal celulósico, outro para granéis, uma central regasificadora e talvez um terminal para minerais, avançou o mesmo responsável, citado pelo “Periodista Digital”.

Portugueses encarecem mercado do eucalipto na Galiza

A Portucel é também hoje citada na imprensa espanhola por outros motivos. Segundo o “Xornal de Galicia”, a entrada de empresas lusas no sector do eucalipto galego fez subir o preço da tonelada de madeira, de 18 euros em 2005 para 35 euros actualmente, o que está a aliviar a situação económica dos proprietários de “montes” da comunidade galega.

A indústria portuguesa compete directamente com a Ence, Finsa ou Tablicia e a ideia das empresas lusas é aumentarem a sua presença no território espanhol, segundo o jornal galego, que cita a Portucel-Soporcel e empresários como Belmiro de Azevedo entre os que se fixaram naquela comunidade, especialmente no Norte.

Actualmente, as empresas portuguesas compram mais de 200.000 toneladas anuais de madeira naquela região espanhola, quantidade que está contudo ainda muito longe da procura de um milhão de toneladas por parte da Ence e do sector da madeira laminada, onde operam empresas como a Finsa e a Tablicia.


Data: 2009-02-17  |  Fonte: Jornal de Negócios Online

 

 

Máquina de cortar e descascar troncos de madeira.

Harvesters.


Data: 2009-02-13  |  URL: Ver Original

 

 

Altri encerra unidade de papel Kraft com perspectivas de degradação da procura.
A participada da Altri, CPK Papel Kraft encerrou a sua unidade de produção de papel Kraft na sequência da degradação das perspectivas do negócio deste tipo de papel, informou a empresa, sublinhando que os custos com o encerramento estão "totalmente imputados" no último trimestre de 2008.

A participada da Altri, CPK – Papel Kraft encerrou a sua unidade de produção de papel Kraft na sequência da degradação das perspectivas do negócio deste tipo de papel, informou a empresa presidida por Paulo Fernandes em comunicado à CMVM, sublinhando que os custos com o encerramento (no valor de cinco milhões de euros) estão “totalmente imputados” no último trimestre de 2008.

Segundo a mesma fonte, “a decisão foi tomada na sequência da degradação das perspectivas do negócio do papel Kraft e da constatação do contributo negligenciável desta unidade produtiva para o EBITDA do Grupo Altri, não se vislumbrando qualquer possibilidade de inverter a prazo a tal tendência”.

“Os custos com o encerramento dessa unidade produtiva, que se estimam num montante de cinco milhões de euros, estão integralmente imputados no último trimestre de 2008”, sublinha o comunicado.

A empresa salienta ainda o facto da decisão permitir ao grupo Altri “concentrar a actividade no seu core business, a exploração florestal e produção de pasta de papel”.


Data: 2009-01-09  |  Fonte: Jornal de Negócios Online

 

 

Biomassa: EDP vai elevar para quatro número de centrais de biomassa em 2009.
A EDP encontra-se a ultimar a construção de duas novas centrais de biomassa florestal, elevando para quatro o número de equipamentos do género já em 2009, disse à Lusa fonte oficial da empresa.

A EDP encontra-se a ultimar a construção de duas novas centrais de biomassa florestal, elevando para quatro o número de equipamentos do género já em 2009, disse à Lusa fonte oficial da empresa.

Escusando-se a revelar montantes de investimento, a mesma fonte afirmou que as quatro centrais a biomassa terão uma potência total de 67 megavolts (Mv) e que, "progressivamente, fruto dos concursos lançados, se encontram em fase final de apreciação, serão construídas outras centrais de biomassa florestal, ao longo do espaço nacional".

"Actualmente a EDP tem interesses na área da biomassa, através das suas participações nas empresas Bioeléctrica e Ródão-Power que exploram, respectivamente, as centrais termoeléctricas a biomassa florestal em Mortágua, com a potência aparente de 10 Mv, e em Vila Velha do Ródão, com 13 Mv", adiantou a mesma fonte, em comunicado enviado à Agência Lusa.

Segundo a empresa, "a Bioeléctrica encontra-se a ultimar a construção de duas novas centrais de biomassa, uma na Figueira da Foz, com 30 Mv, e outra em Constância, com 14 Mv, unidades estas inseridas, tal como a do Ródão, em perímetros industriais de unidades de fabrico de pasta de papel do Grupo Altri", seu associado na área da biomassa.

"A EDP terá em operação comercial, nos próximos anos, oito centrais, com potências variáveis, sendo algumas de menor dimensão, pelo que atingiremos cerca de 130 Mv de potência aparente, sempre com base em centrais termoeléctricas que operam biomassa florestal", afirmou.

Uma das novas Centrais Termoeléctricas a Biomassa Florestal, a construir em Constância, nas instalações da Celulose do Caima, representa um investimento de 34 milhões de euros e deverá entrar em exploração comercial em Agosto de 2009.

A nova central, que terá uma potência instalada de 14,7 Mv, consumirá anualmente 160.000 toneladas de biomassa. No entanto, na sua área de influência, a "quantidade regular de biomassa de origem agro-industrial" vai suportar apenas "cerca de 15 por cento das suas necessidades".

A empresa lembra que o Grupo Altri, no qual a Caima se insere, "possui cerca de 30 por cento da área total de floresta na zona de influência da Central".

O projecto realça que, ao valorizar os resíduos florestais, a central contribuirá para a redução do risco de incêndios florestais e que as 160.000 toneladas de biomassa consumidas por ano "representam cerca de 4 milhões de euros canalizados para as empresas do sector silvícola e florestal da região".

Os promotores apontam ainda como impactos positivos, a promoção da criação de postos de trabalho indirectos na área florestal e o contributo para a diminuição de emissões de dióxido de carbono "em cerca de 60.000 toneladas por ano".


Data: 2009-01-04  |  Fonte: Expresso

 

 

Portucel será líder europeia de papéis para impressão e escrita em 2009.
A Portucel Soporcel irá converter-se no próximo ano na maior produtora de papéis para impressão e escrita da Europa, sendo esperado que em 2010 a firma portuguesa seja também responsável pela produção de 5% da energia eléctrica produzida no país.

O grupo Portucel Soporcel gera actualmente 55% da energia eléctrica proveniente da biomassa florestal em Portugal e, no ano passado, conseguiu produzir 74% das suas necessidades energéticas, adiantou fonte da empresa à Lusa.

"A lógica é a do reaproveitamento", explicou a mesma fonte, salientando que o grupo gera cerca de 1.000 Gigawatts/hora de electricidade, 92% dos quais em regime de cogeração a partir de biomassa.

"A matéria-prima que utiliza é renovável e obtida através de plantações florestais. Em defesa da floresta, o grupo investiu nos últimos dois anos um total de 7,1 milhões de euros em actividades de prevenção e apoio ao combate aos incêndios. Para o próximo ano, vamos investir cerca de 3,5 milhões de euros", acrescentou.

O grupo Portucel Soporcel exporta mais de 92% dos seus produtos de alto valor acrescentado, para mais de 80 países dos cinco continentes, com destaque para a Europa e os EUA, sendo o terceiro maior produtor mundial de pasta branqueada de eucalipto.

"Prevê-se que o grupo represente 5% do total das exportações nacionais em 2010 e que em 2012 represente mais de 12% do total da carga marítima de contentores exportada por portos portugueses", afirmou João Soares, citado pela Lusa.

O grupo Portucel Soporcel tem um volume de negócios superior a 1.000 milhões de euros, representando 0,70% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional e cerca de 2% do PIB industrial nacional.

A Portucel perdeu 35% do seu valor em bolsa desde o início do ano, mas ainda assim, foi a quinta empresa do PSI-20 a registar as menores quedas.

Quando comparado com o sector da Pasta e Papel, o desempenho da Portucel é também melhor do que o da generalidade das suas congéneres, nomeadamente em relação às suas pares europeias.


Data: 2008-12-31  |  Fonte: Diário Económico

 

 

Altri deverá registar lucros de 6,7 milhões no primeiro semestre.
Os lucros da Altri deverão cair para 6,7 milhões de euros no primeiro semestre, contra 16,7 milhões de euros em igual período do ano anterior, estima o CaixaBI. No entanto, os resultados não são comparáveis devido à cisão da F.Ramada que aconteceu em Maio de 2008.

Os lucros da Altri deverão cair para 6,7 milhões de euros no primeiro semestre, contra 16,7 milhões de euros em igual período do ano anterior, estima o CaixaBI. No entanto, os resultados não são comparáveis devido à cisão da F.Ramada que aconteceu em Maio de 2008.

Numa nota de “research”, a casa de investimento estima ainda receitas de 153 milhões de euros e um EBITDA de 39,8 milhões de euros.

O analista Carlos Jesus explica que “o início das operações da nova linha de produção da fábrica da Celtejo deverá ter um impacto nos resultados do segundo trimestre, devido aos custos associados com o projecto”.

A mesma fonte acrescenta que a margem do EBITDA “deverá também ser afectada pelos ainda elevados custos da madeira e pelo aumento dos preços das ‘commodities’, nomeadamente o petróleo, estendendo-se também aos químicos e prejudicando a linha de investimento”.

“Como já referimos anteriormente, os resultados do segundo trimestre deverão ser influenciados pelas condições pobres (do lado dos custos) e principalmente por eventos não recorrentes como o inicio da linha de produção da fábrica da Celtejo. Mais para a frente, a nova linha de produção deverá aumentar o valor da produção e os volumes produzidos na Celtejo de 140 para 195 toneladas de ‘BEKP’”.


Data: 2008-12-23  |  Fonte: Jornal de Negócios Online

 

 

O IPQ e o problema do Nemátodo da Madeira de Pinheiro.
Na sequência de contactos entre os Ministérios da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas e da Economia e Inovação, foi o IPQ consultado, no sentido de ser avaliada a possibilidade de encontrar uma solução para o grave problema originado pelo Nemátodo da Madeira de Pinheiro.

Na sequência de contactos entre os Ministérios da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas e da Economia e Inovação, foi o IPQ consultado, no sentido de ser avaliada a possibilidade de encontrar uma solução para o grave problema originado pelo Nemátodo da Madeira de Pinheiro.
O caminho proposto teria que passar pelo reconhecimento dos fabricantes de embalagens de madeira que integram, no seu processo, os tratamentos que conduzem à eliminação do NEP, permitindo, só a esses, o fornecimento de paletes destinadas ao mercado externo. Para isso, seria criada uma Norma Portuguesa contendo as condições de execução dos referidos tratamentos, construindo-se, com base nela, um esquema de certificação por terceira parte, devidamente acreditado pelo IPAC. A certificação dos fabricantes seria, então, condição necessária para aceitação como fornecedores de paletes aos exportadores nacionais.
Para atingir este objectivo, o IPQ criou uma subcomissão da Comissão Técnica de Normalização do âmbito das madeiras (CT 14), tendo sido reunido um grupo de conceituados especialistas nos diferentes aspectos envolvidos no problema (floresta, indústria transformadora, investigação biológica, entre outros), cujo trabalho de elaboração da norma acima referida já se iniciou.


Data: 2008-12-18  |  Fonte: Instituto Português da Qualidade

 

 

Pedro Queiroz Pereira garante investimentos de 900 ME apesar da crise.
O empresário Pedro Queiroz Pereira garantiu a 21 de Novembro de 2008 que os investimentos da Portucel para este e para o próximo ano, no valor global de 900 milhões, estão garantidos, apesar de ter admitido que a crise que se vive é muito "profunda e muito forte".

O empresário Pedro Queiroz Pereira garantiu a 21 de Novembro de 2008 que os investimentos da Portucel para este e para o próximo ano, no valor global de 900 milhões, estão garantidos, apesar de ter admitido que a crise que se vive é muito "profunda e muito forte".

Pedro Queiroz Pereira, que falava aos jornalistas à margem do Conselho para a Globalização, que decorre na Penha Longa, Sintra, afirmou que os investimentos da Portucel e também da Secil vão continuar tal como estavam planeados.

O empresário garantiu que a nova máquina de papel na fábrica de Setúbal será "inaugurada em Agosto ou Setembro do próximo ano e que decorrem as conversações com o Uruguai, Brasil e Moçambique" para instalar num destes três países "uma base florestal".

Pedro Queiroz Pereira afirmou ainda que a nova fábrica de cimento no Lobito vai avançar, bem como uma nova linha na Tunísia, existindo ainda a possibilidade de investir na Líbia.

"Estamos à espera de conseguir concretizar este investimento a qualquer momento", afirmou.

A nova fábrica de papel da Portucel terá uma área de 238 mil metros quadrados, ou seja, 24 hectares o equivalente a 24 campos de futebol e irá permitir à empresa aumentar as suas exportações em 350 milhões de euros, em 2010, para 1.280 milhões de euros.

Segundo o presidente executivo da Portucel, as exportações da empresa representarão 75 por cento do total do sector em Portugal.

O investimento na nova fábrica ascenderá a 550 milhões de euros e o grupo Portucel Soporcel pretende que esteja operacional em Agosto de 2009.

Pedro Queiroz Pereira afirmou ainda que mantém a intenção de investir em Portugal, mas que isso está dependente da existência de matéria-prima.

O grupo já tinha defendido a importância do Governo português negociar com a

Comissão Europeia, no quadro dos regulamentos e directivas existentes, programas específicos de apoio à melhoria eucaliptal português, para que se torne competitivo.

O presidente da Portucel, Pedro Queiroz Pereira, tinha assumido com o Governo um compromisso de investir 1,5 mil milhões de dólares (cerca de 1.000 milhões de euros) numa nova fábrica em Portugal, se houvesse suficiente matéria-prima.


Data: 2008-11-24  |  Fonte: Agência Lusa

 

 

Lucros da Altri cairam 62% para 11 ME.
A Altri obteve resultados líquidos de 11 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano, menos 62 por cento que no mesmo período de 2007, anunciou a empresa liderada por Paulo Fernandes em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Segundo a empresa, a descida nos lucros explica-se por "factores não recorrentes, nomeadamente os projectos de investimento em curso, que visam duplicar a capacidade de produção instalada na Celbi, e a paragem técnica de produção nesta unidade, para instalação da nova linha de pasta", bem como devido ao arranque da nova linha de branqueamento na Celtejo.

"Estes eventos originaram custos operacionais e redução da capacidade produtiva que se reflectem nos resultados do período", refere o comunicado.

No mesmo período, o volume de vendas ascendeu a 242 milhões de euros, mais 3,3 por cento que nos primeiros nove meses de 2007, tendo o lucro antes de impostos, juros, amortizações e depreciações (EBITDA) atingido 60 milhões de euros, uma queda de 16,9 por cento.

"A actividade da empresa foi ainda influenciada pelo aumento do custo das matérias-primas, nomeadamente madeira e químicos. O aumento do preço da madeira foi motivado essencialmente pelo aumento da procura por parte dos produtores de pasta e papel que operam em Portugal e pelo menor 'stock' disponível para corte, como consequência dos grandes incêndios florestais de 2003 e 2005", acrescenta o documento.


Data: 2008-11-05  |  Fonte: Agência Lusa

 

 

Europac divulga resultados trimestrais.
A Europac anunciou um Ebitda de 49,73 milhões de euros, no terceiro trimestre de 2008, o melhor ano financeiro da empresa desde a sua entrada na Bolsa da companhia.

A Europac anunciou um Ebitda de 49,73 milhões de euros, no terceiro trimestre de 2008, o melhor ano financeiro da empresa desde a sua entrada na Bolsa da companhia. Apesar do Ebitda ter sido inferior ao de Setembro de 2007, em cerca de 22%, as vendas agregadas aumentaram cerca de 14% e as vendas consolidadas cerca de 10%, alcançando os 449,92 e os 310,07 milhões de euros, respectivamente.

Assim, o Conselho de Administração da Europac decidiu distribuir um dividendo reflectido no exercício de 2008 de 0,03 euros por acção, no dia 16 de Janeiro de 2009. Em termos de divisões,em relação ao mesmo trimestre de 2007, o valor de negócio da Divisão de Papel subiu mais de 14%, a Divisão de Cartão aumentou 2,7% e a Divisão de Energia cresceu 12%, contando com uma participação de 8,2% no total da Europac. Os restantes 1,4% correspondem a outros negócios da Europac.


Data: 2008-10-31  |  Fonte: Do Papel

 

 

Lucro da Portucel subiu 1,2% nos primeiros nove meses, para 117,3 ME.
O lucro da Portucel aumentou 1,2 por cento nos primeiros nove meses deste ano, face a igual período do ano passado, para 117,3 milhões de euros, anunciou a empresa em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Em comunicado divulgado através da Comissão, a Portucel explica que a variação do resultado líquido "foi positivamente influenciada" por uma redução das provisões para impostos, que se revelaram "excessivas em exercícios anteriores".

A empresa adianta ainda que o investimento activo teve um grande crescimento, ascendendo aos 186,2 milhões de euros este ano, dos quais 80,7 milhões de euros no 3º trimestre, o que teve "impacto no endividamento líquido do grupo".

O endividamento situou-se nos 457,4 milhões de euros (+89,5 por cento face ao final do exercício de 2007), um nível que, segundo a empresa, mostra "a capacidade de autofinanciamento" e a "situação financeira sólida" do grupo.

As vendas também aumentaram 1,8 por cento, para 856,5 milhões de euros, nos primeiros nove meses de 2008, face ao mesmo período do ano anterior, tendo o papel representado 70 por cento do volume de negócios, e a pasta 22 por cento.

Os restantes oito por cento são essencialmente imputáveis à venda de energia, acrescenta a empresa.


Data: 2008-10-30  |  Fonte: Agência Lusa

 

 

Altri disponibiliza ao mercado sementes de eucalipto geneticamente melhoradas.
A Altri anunciou, no decorrer do Seminário sobre a fileira do eucalipto em Portugal, que se realizou na Exponor, em Matosinhos, estar disponível para, através da Silvicaima, partilhar com as organizações interessadas, o fruto de mais de 40 anos de investigação no programa de melhoramento genético do eucalipto.

Segundo um comunicado emitido pela Altri, esta disponibilidade tem como objectivo "ajudar a tornar a floresta portuguesa mais competitiva. No caso concreto da fileira de eucalipto, a floresta privada não obstante ter uma boa localização, apresenta em 30% da sua área produções inferiores a 4 m3/ha/ano e em 65% inferior a 8 m3/ha/ano. Simultaneamente verifica-se um baixo número de árvores por hectare, povoamentos sub-lotados e sem uma eficiente intervenção pós-fogo."

A Altri nota que um "estudo realizado pela CELPA aponta para uma produtividade actual na ordem dos 4,6 milhões de m3/ano e para uma produtividade potencial de 6,8 m3/ano com uma correcção da situação de sub-lotação e de 7,9 milhões de m3/ano com a utilização de material genético melhorado e com a melhoria das práticas silvícolas."

A Altri possui três unidades industriais, tendo em 2007 produzido mais de 550 mil toneladas de pasta de papel. O seu programa de expansão prevê um aumento da sua capacidade de produção superior a 900 mil toneladas/ano, a partir de 2010. Simultaneamente, através da Silvicaima, o grupo é um grande gestor florestal em Portugal, sendo simultaneamente um produtor de relevo de energia renovável de origem florestal.


Data: 2008-10-09  |  Fonte: Diário Económico

 

 

Fapajal invests in a new tissue paper machine
Fapajal - Fábrica de Papel do Tojal S.A. selected Toscotec SpA for the supply of a 70 tpd tissue paper machine to be installed at Fapajal’s mill in São Julião do Tojal, Portugal.

Fapajal - Fábrica de Papel do Tojal S.A. selected Toscotec SpA for the supply of a 70 tpd tissue paper machine to be installed at Fapajal’s mill in São Julião do Tojal, Portugal.
The mill at the Fapajal location has produced paper and paper products for hundreds of years. At the end of 1999 the mill was purchased by a group of investors in a government-sponsored privatization.
The new executive management immediately undertook a significant investment project aiming to upgrade the mill. The project involved a de-inking plant, essential to produce good quality recycled papers, a treatment plant for industrial effluents and waste, a co-generation plant and, most importantly, a converting line dedicated to the away-from-home market.
Today Fapajal produces virtually all the sanitary paper products required by the institutional market, as well as paper tablecloths, serving clients in Portugal and Spain.
The current investment project constitutes the next phase in Fapajal’s strategic plan. The mill’s capacity of 25 tpd tissue paper and 10 tpd paper for tablecloths will be increased thanks to the addition of 65 tons per day of tissue. The aim is to produce virgin pulp tissue with the new machine, while producing recycled and specialty papers with the existing machines.
The Toscotec scope of supply includes the Modulo Plus tissue machine with all relevant auxiliaries, the approach flow system and a slitter rewinder with stretch wrapping unit.
The Modulo Plus is a crescent former unit with an operating speed of 1300 m/min and a net paper width of 2.75 m, for daily production of some 65 tpd. The machine features a 3200 mm steel Yankee dryer.
Toscotec will also supply supervisory assistance for erection and start-up, as well as training for the new machine staff. Start-up is foreseen for the third quarter of 2009.
Financial support for the project is assured by BBVA Portugal, Barclays Bank plc and the Portuguese government-sponsored QREN program through Banco Espírito Santo.


Data: 2008-10-07

 

 

Portucel quer investir no Mato Grosso do Sul.
A Portucel está a negociar a compra de terras em Mato Grosso do Sul para investir naquele Estado brasileiro.

A Portucel está a negociar a compra de terras em Mato Grosso do Sul para investir naquele Estado brasileiro.

Para mais informações
http://www.jornaldenegocios.pt/index.php?template=SHOWNEWS&id=329870


Data: 2008-09-04  |  Fonte: Jornal de Negócios Online

 

 

Altri regista queda de 54% nos lucros do primeiro semestre.
A Altri registou uma queda de 54%, nos lucros consolidados do primeiro semestre, para 8,88 milhões de euros, divulgou a empresa em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A Altri registou uma queda de 54%, nos lucros consolidados do primeiro semestre, para 8,88 milhões de euros, divulgou a empresa em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Os lucros, cuja queda é explicada em parte pela alteração do perímetro de consolidação e pelo aumentos das amortizações e investimentos, saíram em linha com as estimativas dos analistas.

A Altri procedeu à cisão da F. Ramada, durante o segundo trimestre de 2008, passando a focar-se exclusivamente no seu “core business”, a gestão florestal e a produção de pasta de papel.

Excluíndo a F. Ramada, que contribuiu para os resultados do grupo durante os primeiros 5 meses do ano, os resultados da Altri situaram-se em 7,5 milhões de euros, registando uma queda de 53,7% face ao período homólogo.

Os proveitos operacionais da Altri aumentaram 3,2% para 162 milhões de euros, no primeiro semestre.

O EBITDA, ou “cash-flow” operacional, situou-se em 41,5 milhões de euros, registando uma queda de 12% face ao primeiro semestre do ano passado. A empresa justifica a descida deste indicador com o “aumento do custo das matérias-primas, nomeadamente madeira e químicos, bem como um conjunto de custos não recorrentes”.

O resultado operacional, ou EBIT, também caiu, 21,7% para 26,91 milhões de euros.

“Durante o segundo trimestre foi concluída a linha de branqueamento da Celtejo, o que implicou custos operacionais não recorrentes e um aumento no nível de amortizações”, refere a empresa no comunicado emitido hoje.

As amortizações totais do semestre cifraram-se em cerca de 15 milhões de euros, o que representa um crescimento de 14% face ao período homólogo do ano anterior.


Data: 2008-08-28  |  Fonte: Jornal de Negócios Online

 

 

Portucel com melhores resultados do que congéneres europeias.
As vendas da Portucel subiram mais no primeiro semestre deste ano do que as das principais papeleiras europeias, com a empresa portuguesa a conseguir um desempenho melhor em termos de quantidades vendidas e preços praticados.

As vendas da Portucel subiram mais no primeiro semestre deste ano do que as das principais papeleiras europeias, com a empresa portuguesa a conseguir um desempenho melhor em termos de quantidades vendidas e preços praticados. De acordo com analistas, no primeiro semestre de 2008, a Portucel conseguiu fazer melhor em termos de preços de mercado na Europa e dos volumes vendidos.

"No que diz respeito ao preço, a Portucel conseguiu fazer melhor [do que as congéneres europeias] em termos de mercado", disse uma analista.

Uma visão partilhada por outro analista do Espírito Santo Reseach, que sublinhou que "os volumes vendidos e os preços de mercado revelam que a Portucel tem um comportamento bastante sólido e beneficia de uma vantagem face às nórdicas".

Para este analista, o posicionamento da Portucel num segmento de mercado de produtos Premium, sobretudo no papel, "é realmente uma vantagem, que a torna mais imune aos ciclos deste sector e compensa o aumento dos custos", nomeadamente da madeira. As vendas da Portucel aumentaram 5,0 por cento, para 594,5 milhões de euros, um "desempenho favorável" que, segundo a empresa, resultou de um aumento do volume de vendas de pasta e de papel e da evolução positiva dos respectivos preços.

De acordo com contas efectuadas pela Agência Lusa, a Portucel foi a única papeleira a registar no primeiro semestre, face a igual período do ano anterior, um aumento das vendas entre as principais líderes europeias do sector: as nórdicas Stora Enso, a maior empresa de papel da Europa, a UPM-Kymmenne, que é a segunda maior (ambas com -5 por cento), e a M-Real (-4 por cento).

A analista também sublinhou que "a Portucel tem um bom 'mix' de produtos premium, o que acaba por a proteger".

A empresa beneficiou até Junho do bom andamento dos preços no primeiro trimestre, mas no segundo trimestre foi contudo prejudicada pela queda dos preços do papel devido à diminuição da procura, acrescentou.

Apesar da melhoria das vendas, o lucro da Portucel caiu 1,3 por cento no primeiro semestre deste ano, face a igual período do ano passado, para 75,9 milhões de euros.

A queda do lucro fez-se sentir também nas papeleiras concorrentes Stora Enso e M-Real, com o resultado líquido da primeira a descer 73 por cento, para 98 milhões de euros, e o da segunda a passar de um lucro de 5 milhões de euros, para um prejuízo de 27 milhões de euros.

Já a UPM-Kymmene registou uma evolução positiva no lucro, passando de um prejuízo para um resultado líquido de 193 milhões de euros, depois de no primeiro semestre de 2007 ter sido penalizada por uma perda extraordinária.

Quanto à actividade principal da Portucel, o lucro antes de imposto, juros, amortizações e depreciações (EBITDA) caiu 14,1 por cento, para 150,1 milhões de euros, uma evolução desfavorável registada também nas três congéneres europeias, com quedas que variaram entre os 12 e os 45 por cento.

A Portucel justifica o seu resultado com "o agravamento acentuado no custo de alguns factores de produção, com especial destaque para a madeira", numa conjuntura de "instabilidade de mercado, com os correspondentes impactos associados às operações de transporte".

A papeleira sublinha ainda que a "grande escalada de preços" neste período na generalidade das matérias-primas "traduziu-se igualmente em aumentos de custo", nos principais produtos químicos e na logística.


Data: 2008-08-21  |  Fonte: PUBLICO.PT

 

 

Portucel Soporcel reforça combate às causas dos incêndios.
O grupo Portucel Soporcel reforçou o investimento na prevenção, detecção e apoio ao combate aos incêndios florestais, no quadro da certificação florestal recentemente obtida.

O grupo Portucel Soporcel reforçou o investimento na prevenção, detecção e apoio ao combate aos incêndios florestais, no quadro da certificação florestal recentemente obtida.

Além da manutenção das áreas florestais e da respectiva rearborização numa óptica de gestão florestal sustentável, no âmbito da defesa da floresta contra incêndios, o grupo apostou na prevenção e na pre-supressão em 2008.

Assim, a Portucel Soporcel vai reforçar a assessoria técnica às comissões municipais de defesa da floresta contra incêndios em mais de 20 municípios onde a área florestal que gere tem significado social, ambiental e económico, além de participar na sensibilização de públicos relevantes, no sentido de reduzir comportamentos negligentes do uso do fogo. Neste caso, destaca-se a distribuição de folhetos junto de operadores florestais e transportadores de madeira em locais de risco, refere a empresa em comunicado.

O grupo anunciou que vai igualmente fazer um investimento significativo em operações de tratamento de combustíveis em cerca de 10.000ha e conservação de 5.000 Km de caminhos e aceiros. Além disso, vai apostar no reforço das acções de vigilância e na formação dos seus elementos, especialmente ao nível da segurança, liderança, comportamento do incêndio, comunicações e técnicas de utilização de ferramentas manuais, bem como no uso eficiente da água.

Apesar de a sua estratégia se focalizar na prevenção, o grupo mantém o nível de esforço do dispositivo de combate, com o qual, e de forma complementar através da Afocelca, integra o dispositivo nacional de defesa da floresta contra incêndios, salienta o comunicado.

A campanha de 2008 conta novamente com a participação de sapadores florestais chilenos que integram as brigadas heli-transportadas em conjunto com sapadores portugueses. Todo o dispositivo estará operacional até final de Setembro.

O grupo Portucel Soporcel assinou recentemente um protocolo de cooperação com a Autoridade Nacional de Protecção Civil, através do qual integra de novo o Movimento ECO – empresas contra os fogos, um movimento da sociedade civil lançado em 2007 que corporiza a parceria entre empresas/marcas, o Ministério da Administração Interna e o Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas. Esta iniciativa tem como principal objectivo promover a disseminação de mensagens e comportamentos na área da prevenção e do combate aos incêndios florestais.

O grupo gere cerca de 120 mil hectares, dos quais 74% são ocupados por eucaliptos.


Data: 2008-08-06  |  Fonte: Jornal de Negócios Online

 

 

Prado Karton inova e internacionaliza-se.
A Prado Karton – Companhia de Cartão, SA, situada em Tomar, produz e comercializa cartão com elevados padrões de qualidade, apostando na inovação tecnológica e na preservação do meio ambiente. A sua produção diária situa-se nas cem toneladas. Trabalha em regime de produção contínua.

A Prado Karton – Companhia de Cartão, SA, situada em Tomar, produz e comercializa cartão com elevados padrões de qualidade, apostando na inovação tecnológica e na preservação do meio ambiente. A sua produção diária situa-se nas cem toneladas. Trabalha em regime de produção contínua. As embalagens de cartão multiplex da Prado Karton são facilmente encontradas no mercado português, espanhol, italiano, alemão e britânico e em breve serão exportadas para o Brasil, um mercado em expansão. Na papeleira líder em inovação tecnológica, o processo de fabricação, produção e controlo é efectuado por computadores que coordenam o tempo de laboração, secagem, espessura e revestimento do papel. A mão humana é usada apenas quando existe uma falha mecânica ou avaria das máquinas.


Data: 2008-07-21  |  Fonte: O Mirante

 

 

Portucel discute com Puccinelli instalação em MS.
Representantes da empresa portuguesa papel e celulose Portucel reuniram-se na manhã desta quarta-feira com o governador André Puccinelli (PMDB) para discutir a implantação de uma indústria do grupo em Mato Grosso do Sul.

Representantes da empresa portuguesa papel e celulose Portucel reuniram-se na manhã desta quarta-feira com o governador André Puccinelli (PMDB) para discutir a implantação de uma indústria do grupo em Mato Grosso do Sul. O grupo planeja construir mais três indústrias, uma delas no País e a posição geográfica do Estado está entre os argumentos para atrair um dos empreendimentos.
Conforme a assessoria de imprensa do governo do Estado, os diretores que participaram da reunião do governador saíram satisfeitos com as conversas. Eles teriam adiantado que o País é uma possibilidade para a instalação de uma indústria e Mato Grosso do Sul é um local em potencial.
O investimento previsto para a primeira fase do negócio é de US$ 2 bilhões e mais US$ 1 bilhão para finalizar a instalação. A reunião ainda segue no decorrer desta tarde, conforme a assessoria de imprensa.


Data: 2008-07-07

 

 

AMS enters tissue market with new plant in Portugal.
AMS-Paper Mill and Converting, a newcomer into tissue production, has recently signed an agreement with Toscotec SpA for the supply of a complete tissue plant to be installed in a greenfield site in Vila Velha de Ródão, Portugal. The start-up of this plant is foreseen for the second/third quarter of 2009.

AMS-Paper Mill and Converting, a newcomer into tissue production, has recently signed an agreement with Toscotec SpA for the supply of a complete tissue plant to be installed in a greenfield site in Vila Velha de Ródão, Portugal. The start-up of this plant is foreseen for the second/third quarter of 2009.
The mill will produce both jumbo reels for local converters as well as finished products. The plant is designed to operate with virgin pulp and waste paper in order to provide the market with a wide range of high quality products including facial, napkins, toilet tissue and towels. AMS will be active both in the consumer market as well as in the AFH sector.
Toscotec's "turn-key" project includes AHEAD 2.0 tissue machine with 15' Steel Yankee Dryer, machine auxiliaries, stock preparation plant for virgin pulp, a three ply tissue rewinder with calender, electrification and control system.
Machine speed will be 2,000 m/min with a net trim width of 2,820 mm and a daily production of 110 tons.
AMS project is based on B.A.T. (Best Available Technology) for tissue production and, thanks to the combination of a Steel Yankee Dryer and TT large diameter suction press, it is strongly oriented towards energy savings.
"This project will establish our company as one of the most modern and flexible operations in Europe" said one of the shareholders of AMS "thanks to the full integration of the project and its extreme flexibility".


Data: 2008-07-04  |  Fonte: RISI

 

 

Altri paga dividendo de 5 cêntimos a 25 de Junho.
A Altri anunciou a 11 de Junho de 2008 que vai pagar um dividendo ilíquido de 5 cêntimos no próximo dia 25 de Junho relativo ao exercício de 2007, anuncia a empresa liderada por Paulo Fernandes, em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A Altri terminou o ano de 2007 com um lucro líquido de 35,3 milhões de euros, o que representa um crescimento de 67% face ao ano anterior, embora os números não sejam directamente comparáveis, já que a empresa adquiriu a Celbi em Agosto de 2006.

Às 9h08, as acções da Altri desvalorizavam 1,32% para os 4,12 euros, com 24 952 títulos a mudarem de mãos.


Data: 2008-06-11  |  Fonte: Diário Económico

 

 

Portucel Soporcel Picks Converting Suppliers
Portucel Soporcel has ordered the equipment to convert output from the new 500,000
tonne/yr uncoated woodfree paper machine it plants to install at its mill in Setúbal,
Portugal.

Portucel Soporcel has ordered the equipment to convert output from the new 500,000
tonne/yr uncoated woodfree paper machine it plants to install at its mill in Setúbal,
Portugal.

ECH Will, Pemco and Langhmmer Maschinenbau, all part of the Körber PaperLink
Group, will provide two complete cut-size sheeting and packaging lines, which are set
to start up in 2009. The parties have agreed on a third sheeting and packaging line as an
option. It will be added as the paper machine climbs the production curve.

The first line will be designed for the highest possible output. It will consist of a 16-
pocket ECH Will cut-size sheeter, two Pemco high-speed packaging lines and two
Langhammer high-speed palletizers. With a 3.48-m working width, the sheeter will be
the widest of its kind, according to the supplier. The second line will consist of an eightpocket
ECH Will cut-size sheeter, a Pemco flexible packaging line and a palletizer from
Langhammer.

The new uncoated fine paper PM is scheduled to be shipped to the site in February
2009, with commercial production expected to start during thr third quarter. Metso
Paper is supplying the new unit, while GL&V and Andritz are providing some of the
stock preparation equipment. Pöyry is the main engineering consultant.

The Setúbal plan currently houses three uncoated woodfree paper machines with a total
capacity of 275,000 tonnes/yr and a 500,000 tonne/yr bleached eucalyptus pulp line.
The pulp plant will be fully integrated with the paper production once the investment
has been completed.

Portucel to install boilers: Portucel Soporcel has also selected Andritz to deliver steam
boilers for the two power plants it is looking to build at the Cacia and Setúbal mills,
both in Portugal. The plants will produce 15 MW of electricity each. The boilers are
based on fluidized bed technology and the fuel used will be mainly eucalyptus and pine.
Both are set to start up by the end of 2009.


Data: 2008-05-28  |  Fonte: PPI

 

 

Papermaking Science and Technology book series - updated versions.
Finnish Paper Engineers´ Association has been and still is under updating the comprehensive Papermaking Science and Technology book series.

Finnish Paper Engineers´ Association has been and still is under updating the comprehensive Papermaking Science and Technology book series. Already there are 3 updated books available: Economics, Paper chemistry and Papermaking Part 1/ Wet end and the next tree will be published at SPCI, they are Paper Physics, Converting and Environment Control and Management. Read more about these at www.papermakerswiki.com at bookstore. You can now purchase these books even in electronic format via internet.


Data: 2008-05-15  |  URL: Ver Original

 

 

Paulo Fernandes separa F. Ramada para valorizar pasta e papel.
A bolsa portuguesa vai ganhar mais uma empresa: a Ramada Investimentos. A Altri anunciou em 16 de Abril de 2008 a separação do negócio do aço do seu capital, operação com a qual Paulo Fernandes pretende dar maior visibilidade à pasta e papel.

A bolsa portuguesa vai ganhar mais uma empresa: a Ramada Investimentos. A Altri anunciou em 16 de Abril de 2008 a separação do negócio do aço do seu capital, operação com a qual Paulo Fernandes pretende dar maior visibilidade à pasta e papel.

A cotada regressa à bolsa no Verão, avaliada pelos analistas em mais de 90milhões de euros, numa operação em que os accionistas vão receber um título da Ramada, por cada quatro detidos da Altri.


Data: 2008-04-22  |  Fonte: Jornal de Negócios Online

 

 

Unidade no Uruguai permite à Portucel entrar clube de produtores de pasta "low cost".
A possibilidade da Portucel avançar com a construção de uma fábrica de pasta e papel no Uruguai é bem vista pelos analistas que destacam que este projecto poderá criar valor à empresa liderada por Pedro Queiroz Pereira e permitir-lhe entrar no clube de produtores de pasta "low cost".

A possibilidade da Portucel avançar com a construção de uma fábrica de pasta e papel no Uruguai é bem vista pelos analistas que destacam que este projecto poderá criar valor à empresa liderada por Pedro Queiroz Pereira e permitir-lhe entrar no clube de produtores de pasta "low cost".

"Acreditamos que o possível investimento numa nova unidade de BEKP no Uruguai poderá criar valor" à Portucel, na medida em que esta região "apresenta um ritmo de crescimento de eucalipto superior ao resto do mundo" e o Uruguai tem "oferecido várias facilidades como isenção de impostos, que podem acelerar o retorno do investimento", refere o BPI.

Em termos estratégicos, este investimento também "faz sentido" já que, para os analistas do banco de investimento, a "procura por BEKP deverá continuar nos próximos anos, absorvendo os aumentos de capacidade", e a Portucel tem "um forte ‘know how’ neste campo".

A equipa de "research" salienta ainda que este investimento, a concretizar-se, poderá ser financiado por fundos próprios da Portucel, isto caso ocorra entre 2010 e 2011, o que resultará num aumento o rácio dívida/EBITDA para 3,5-4 vezes".

O Millennium IB salienta que com a localização de uma unidade no Uruguai, a Portucel "conseguiria assim entrar no clube de produtores de pasta ‘low cost’", acrescentando que o "valor envolvido [1,9 mil milhões de euros] possibilitaria a construção de uma fábrica de pasta e papel, com uma capacidade de papel igual ou superior à fábrica que neste momento está em construção em Portugal".

"O impacto na avaliação dependeria dos activos a instalar para o montante avançado, entre outros dados nomeadamente se ou quanto precisaria a Portucel investir em área florestal", conclui o Millennium IB.

O banco de investimento manteve a recomendação de "comprar" para a Portucel, bem como a avaliação de 3,65 euros, enquanto o BPI, que também recomenda a "compra" dos títulos, tem um "target" de 3,45 euros. As acções da Portucel [Cot] seguiam estáveis nos 2,43 euros.


Data: 2008-04-22  |  Fonte: Jornal de Negócios Online

 

 

Portucel apresentou projecto de 3 mil milhões de dólares ao governo uruguaio.
Representantes da Portucel apresentaram ao ministro dos Transportes e Obras Públicas do Uruguai, Victor Rossi, um projecto de investimento que poderá rondar os 3 mil milhões de dólares, disse em 17 de Abril de 2008 à Lusa a embaixadora de Portugal no país.

Representantes da Portucel apresentaram ao ministro dos Transportes e Obras Públicas do Uruguai, Victor Rossi, um projecto de investimento que poderá rondar os 3 mil milhões de dólares, disse em 17 de Abril de 2008 à Lusa a embaixadora de Portugal no país.

"Existe a possibilidade de avançar para um investimento que rondará os 3 mil milhões de dólares", afirmou Luísa Bastos de Almeida.

"Naturalmente que um investimento desta envergadura leva o seu tempo a ser analisado e aprofundado, mas tudo leva a crer que existem grandes hipóteses para a Portucel construir a maior fábrica de papel da América do Sul aqui no Uruguai", disse à Lusa a embaixadora.

A agência Lusa contactou a Portucel em Portugal para obter esclarecimentos, mas fonte oficial escusou-se a comentar o assunto.

Em declarações ao jornal uruguaio La Republica, o presidente executivo da Portucel, José Honório, disse que o Uruguai é uma grande oportunidade de investimento para a empresa.

"O Uruguai continua a ser uma oportunidade muito séria para investirmos numa unidade de celulose e uma fábrica de papel, mas a decisão final para avançarmos com esse investimento depende única e exclusivamente do governo do Uruguai", afirmou Honório, citado pelo jornal.

O governo do Uruguai vai nomear nos próximos dias um coordenador do projecto apresentado pela Portucel.

"Certamente que vão analisar de forma detalhada os aspectos concretos que nós apresentamos e nos próximos dias talvez tenhamos uma proposta concreta", sublinhou José Honório.


Data: 2008-04-21  |  Fonte: Jornal de Negócios Online

 

 

Criação de empresa de energia é "potencialmente positivo" para a Portucel.
O BPI considera que a possível criação de uma empresa de energia por parte da Portucel terá um impacto "potencialmente positivo" para a empresa.

O BPI considera que a possível criação de uma empresa de energia por parte da Portucel terá um impacto "potencialmente positivo" para a empresa.

A Portucel estará a estudar a criação de uma subsidiária para investir no sector energético, avançou em 17 de Abril de 2008 o "Diário Económico".

O BPI considera que esta situação é "potencialmente positiva" para Portucel uma vez que uma nova empresa que se foque totalmente no sector energético pode aumentar a exposição da empresa. Esta situação poderá também criar novas oportunidades de investimento, especialmente no segmento da biomassa.

A Portucel [Cot], que é a maior empresa de biomassa em Portugal, seguia inalterada na sessão de 17 de Abril de 2008 ao cotar nos 2,37 euros.


Data: 2008-04-21  |  Fonte: Jornal de Negócios Online

 

 

CEO da Altri diz que preços da madeira começaram descer.
O preço da madeira de pinho está a baixar e a cotação do eucalipto já terá tocado o valor máximo, afirmou o Chief Executive Officer (CEO) da Altri, Paulo Fernandes.

O preço da madeira de pinho está a baixar e a cotação do eucalipto já terá tocado o valor máximo, afirmou o Chief Executive Officer (CEO) da Altri, Paulo Fernandes, citado pela Reuters.

Os analistas têm referido que as margens operacionais da divisão de pasta e papel da Altri têm vindo a sofrer o impacto negativo da subida dos custos de produção em euros, nomeadamente da madeira.

No relatório de contas de 2007 a Altri afirmou que os custos de produção foram marcados por "uma tendência de subida do preço dos principais factores de produção, nomeadamente a madeira e os químicos derivados do petróleo".

A Altri tem 78 mil hectares de floresta sob gestão, o que cobre 50% das necessidades da empresa tendo que comprar o restante no mercado.

"A nossa visão de longo prazo da Altri está relacionada com a performance dos preços de pasta e com a capacidade da empresa de manter os custos sob controlo", referiu Carlos Jesus, do CaixaBI, numa nota de research de Março.

"O preço da madeira de pinho já começou a baixar e a de eucalipto deve ter atingido um máximo", disse Paulo Fernandes numa apresentação durante uma conferência sobre o sector de pasta e papel em Lisboa.


Data: 2008-04-08  |  Fonte: Jornal de Negócios Online

 

 

Portucel poderá construir fábrica em Moçambique.
Moçambique «é, neste momento, um forte candidato ao investimento de mil milhões de euros que a Portucel prevê efectuar» numa nova fábrica de pasta de papel, constituindo-se como alternativa a Portugal e ao Uruguai, refere o Diário Económico de 26 de Março de 2008.

A localização geográfica e a elevada produtividade das florestas de eucalipto justificam a atractividade do país. E a Portucel, que nunca descartou a hipótese de desenvolver este projecto em África, estuda com interesse a viabilidade da instalação da fábrica no mercado moçambicano.

«Moçambique pode bem ser uma alternativa ao Uruguai [no investimento previsto pela Portucel], já que este país tem condições para ser um dos mercados mais competitivos do mundo na indústria da celulose», refere o jornal citando Basílio Horta, o presidente da AICEP () em declarações proferidas em Maputo.

Durante o Observatório do Diário Económico, que ontem decorreu na capital moçambicana, o responsável da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) sublinhou que, por tudo isso, é natural que a Portucel, controlada pelo grupo de Pedro Queiroz Pereira, já esteja a estudar um investimento em Moçambique.


Data: 2008-03-27  |  Fonte: Dinheiro Digital

 

 

Lucros da Altri aumentam 67% em 2007.
A Altri registou um resultado líquido de 35,3 milhões de euros em 2007, mais 67% do que no ano anterior, com a empresa a beneficiar da melhoria operacional na divisão de pasta e papel devido à subida dos preços.

A Altri registou um resultado líquido de 35,3 milhões de euros em 2007, mais 67% do que no ano anterior, com a empresa a beneficiar da melhoria operacional na divisão de pasta e papel devido à subida dos preços.

Os lucros de 35,3 milhões de euros comparam com os 21,1 milhões obtidos em 2006: As receitas cresceram 42% para 419 milhões de euros e o EBITDA subiu 62% para 102 milhões de euros, o que levou a margem EBITDA a melhorar 3 pontos percentuais para 24,4%.

A Espírito Santo Research estimava que a empresa obtivesse lucros de 34,8 milhões de euros, com receitas de 413 milhões de euros.

Num comunicado a empresa salienta que os resultados não são directamente comparáveis com os de 2006, uma vez que só em Agosto de 2006 a empresa adquiriu a Celbi.

A Altri beneficiou o ano passado pelo momento positivo do sector da pasta e papel, com os lucros da divisão Celbi/Caima/Celtejo a aumentarem 62% para 31,7 milhões de euros.

Nesta área de negócio as receitas cresceram 59% para 312 milhões de euros e o EBITDA avançou 79%.


A Altri salienta que "durante o ano de 2007 o mercado internacional de pasta de papel registou uma forte procura da pasta de celulose", sendo que o preço médio da pasta BEKP aumentou 10% em dólares, e 1% em euros.

Além do facto cambial, também a penalizar as contas da empresa esteve a "tendência de subida do preço dos principais factores de produção, nomeadamente a madeira e os químicos derivados do petróleo".

Na F. Ramada a Altri destaca que as receitas subiram 6% para 110 milhões de euros e os lucros caíram 8% para 7 milhões de euros.


Data: 2008-03-18  |  Fonte: Jornal de Negócios Online

 

 

Portucel aprova dividendo adicional de 3,5 cêntimos por acção.
Os accionistas da Portucel aprovaram hoje, em assembleia geral (AG), a distribuição de um dividendo adicional de 3,5 cêntimos por acção.

Os accionistas da Portucel aprovaram a 13 de Março de 2008, em assembleia geral (AG), a distribuição de um dividendo adicional de 3,5 cêntimos por acção.

A Portucel, que já tinha pago aos accionistas um dividendo antecipado de 7 cêntimos por acção relativos aos resultados de 2007, vai pagar ainda um dividendo adicional de 3,5 cêntimos.

A empresa anunciou, em comunicado emitido para a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), que na AG decorrida a 13 de Março de 2008 os accionistas aprovaram um dividendo adicional de 0,035 euros por acção".

As acções da Portucel [Cot] fecharam a sessão de 13 de Março de 2008 a cair 2,38% para os 2,05 euros.


Data: 2008-03-18  |  Fonte: Jornal de Negócios Online

 

 

Gestora de fundos espanhola Bestiver entra no capital da Portucel.
A Bestinver Gestion, gestora de fundos espanhola com presença no capital de várias empresas portuguesas, passou a ter uma participação qualificada no capital da Portucel.

A Bestinver Gestion, gestora de fundos espanhola com presença no capital de várias empresas portuguesas, passou a ter uma participação qualificada no capital da Portucel.

Num comunicado a Portucel diz que que a Bestinver Gestión. SGCII. S.A. comunicou a 12 de Março de 2008 que detinha, no dia 4 Março de 2008, 15.443.547 acções da Portucel, representativas de 2,012% do capital da empresa.

A maior parte das acções está na posse do fundo Bestinver Bolsa, sendo que é sobretudo através deste fundo que a gestora espanhola detém acções nacionais

Do total dos 1,16 mil milhões de euros de activos sob gestão deste fundo, em Junho do ano passado, quase 7% estava investido em cotadas nacionais, sendo que nessa altura a Portucel não integrava a carteira.


Data: 2008-03-18  |  Fonte: Jornal de Negócios Online

 

 

Grupo Portucel Soporcel constrói em Setúbal a mais sofisticada Fábrica de Papel do mundo.
O Primeiro-Ministro José Sócrates presidiu a 4 de Março de 2008 à cerimónia de lançamento da primeira pedra da nova Fábrica de Papel do complexo industrial de Setúbal do grupo Portucel Soporcel, um projecto de reconhecida importância para a economia do País, nomeadamente ao nível da criação de emprego qualificado e do aumento das exportações de bens com alto valor acrescentado.

O Primeiro-Ministro José Sócrates presidiu a 4 de Março de 2008 à cerimónia de lançamento da primeira pedra da nova Fábrica de Papel do complexo industrial de Setúbal do grupo Portucel Soporcel, um projecto de reconhecida importância para a economia do País, nomeadamente ao nível da criação de emprego qualificado e do aumento das exportações de bens com alto valor acrescentado.

O Chefe do Governo foi recebido no local por Pedro Queiroz Pereira e por José Honório, respectivamente o Presidente do Conselho de Administração e o Presidente da Comissão Executiva do grupo Portucel Soporcel, tendo assistido, na companhia de cerca de uma centena de personalidades convidadas, a uma breve apresentação, feita por José Honório, sobre as principais características e vantagens deste avultado investimento, num montante que rondará os €550 milhões.

A nova fábrica, que se prevê possa começar a laborar em Agosto de 2009, acolherá como equipamento central a maior e mais sofisticada máquina do mundo para a produção de papéis finos não revestidos (UWF). Com 11,1 metros de largura, a nova máquina irá produzir cerca de 500.000 toneladas/ano de papéis de escritório de elevada qualidade, permitindo integrar em papel toda a pasta produzida no complexo de Setúbal.

A nova unidade possibilitará o aumento da produção de papéis de impressão e escrita de elevada qualidade para 1,5 milhões de toneladas/ano, reforçando assim a presença do Grupo num sector onde é já hoje uma referência mundial, exportando cerca de 92% da sua produção total de pasta e papel, num valor que ultrapassa os € 950 milhões e representa cerca de 3% do total das exportações portuguesas de bens em 2007, com a particularidade de o seu principal factor de produção ser um recurso natural e renovável: a floresta nacional.

O contributo da nova Fábrica de Setúbal será, aliás, decisivo no reforço da competitividade do Grupo no mercado internacional de papéis finos não revestidos, onde assumirá uma posição de liderança a nível europeu e expandirá, por exemplo, a posição relevante já alcançada no mercado norte-americano. De facto, exportando os seus produtos, de alto valor acrescentado, para mais de 80 países em todo o mundo, é na Europa e nos EUA que o Grupo concretiza o volume mais expressivo das suas vendas, com cerca de 91% do total.

Criação de emprego e protecção ambiental

Outro impacto positivo que a nova fábrica terá na economia nacional, com especial enfoque no desenvolvimento da região de Setúbal, relaciona-se com a promoção de emprego qualificado, na medida em que este projecto envolve a criação de 350 postos de trabalho directos altamente qualificados, para além de um significativo número de empregos indirectos e da mobilização de cerca de 1200 trabalhadores na fase de pico da construção da fábrica.

De referir que a futura Fábrica de Setúbal, que respeitará os mais exigentes padrões ambientais legalmente estabelecidos em Portugal e na União Europeia, tem associado um projecto para a instalação, no perímetro do complexo fabril de Setúbal, de uma central de co-geração de ciclo combinado com turbinas a gás natural (80 MW), o que permitirá não só satisfazer as necessidades de energia eléctrica e de vapor da nova unidade fabril, mas também fornecer interessantes excedentes de energia à rede eléctrica nacional. Recorde-se que a produção de energia eléctrica do Grupo – que é líder destacado na produção de energia a partir de biomassa – representa actualmente cerca de 2% do consumo total em Portugal.

O projecto da nova Fábrica de Setúbal enquadra-se num plano mais vasto de desenvolvimento e modernização tecnológica e de redução do impacto ambiental do grupo Portucel Soporcel, plano esse em curso e que compreende um total de investimentos de cerca de €900 milhões, incluindo vários projectos nos três complexos industriais existentes: Cacia, Figueira da Foz e Setúbal.

Sobre o grupo Portucel Soporcel

O grupo Portucel Soporcel é uma das mais fortes presenças de Portugal no mundo, detendo uma posição de grande relevo no mercado internacional de pasta e papel, exportando mais de 92% das suas vendas totais para mais de 80 países em todo o mundo. O valor das suas exportações, superior a €950 milhões, representou em 2007 cerca de 3% do total das exportações portuguesas de bens.

Com um volume de negócios que ultrapassa os €1100 milhões, o que representa 0,7% do PIB nacional e cerca de 2% do PIB industrial, o Grupo encontra-se entre os maiores produtores de papéis finos não revestidos (UWF) da Europa sendo o maior produtor europeu – e um dos maiores a nível mundial – de pasta branca de eucalipto (BEKP – Bleached Eucalyptus Kraft Pulp).

Tendo a Europa e os EUA como mercados preferenciais, o Grupo dispõe de produtos de elevada qualidade, aspecto evidenciado na notoriedade das suas marcas de papel, com destaque para a marca Navigator, líder mundial de vendas no segmento premium de papéis de escritório, mas também para a Pioneer, Inacopia, Discovery, Explorer ou Inaset, por exemplo.

A nível europeu, o Grupo é também um destacado fornecedor de pasta branca de eucalipto para os segmentos de papéis especiais, que representam cerca de 50% das suas vendas de pasta.

A floresta, fonte da matéria-prima, é uma área estratégica para o grupo Portucel Soporcel que, através de uma gestão florestal responsável, contribui para a competitividade de um sector decisivo para a economia do País. O Grupo detém a certificação florestal pelo FSC (Forest Stewardship Council) de cerca de 102 mil hectares de floresta, promovendo uma gestão activa da biodiversidade. Neste domínio tem estabelecido parcerias com a WWF – World Wide Fund for Nature que permitiram classificar como áreas de alto valor de conservação, à escala da paisagem, perto de 50% do património certificado. Destaca-se ainda a actuação do Grupo na área da prevenção e apoio ao combate aos incêndios florestais que têm afectado o património florestal nacional.


Data: 2008-03-05  |  Fonte: Grupo Portucel Soporcel

 

 

Primeiro moinho de papel luso renasce no centro de Portugal.
O primeiro moinho de papel de Portugal vai voltar a funcionar em Leiria (centro de Portugal), com a sua estrutura medieval alimentada pela força das águas do rio Lis e ensinando aos mais novos as tradições ancestrais da moagem.

O primeiro moinho de papel de Portugal vai voltar a funcionar em Leiria (centro de Portugal), com a sua estrutura medieval alimentada pela força das águas do rio Lis e ensinando aos mais novos as tradições ancestrais da moagem.

“Isto é bonito porque é tudo como era antes: o edifício, os moinhos e toda a estrutura. Aqui não há botões e por isso um homem ainda tem de molhar-se para pôr tudo a funcionar”, diz Manuel Menezes, especialista na arte de restauração de moinhos, e responsável por ativar os rodízios e as comportas de água que alimentam o museu do Moinho de Papel de Leiria.


Data: 2008-02-25  |  Fonte: Agência Lusa  |  URL: Ver Original

 

 

Portucel confirma conversações com Staples.
A Portucel tem desenvolvido a nível internacional discussões com a Staples, ao longo dos últimos meses no âmbito do projecto de aumento de capacidade de produção de papel em curso, avança a empresa em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliário (CMVM).

A Portucel tem desenvolvido a nível internacional discussões com a Staples, ao longo dos últimos meses no âmbito do projecto de aumento de capacidade de produção de papel em curso, avança a empresa em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliário (CMVM).

Segundo declarações ao Jornal de Negócios do director-geral da Staples Portugal, Carlos Maia, "em cima da mesa está a possibilidade de a Portucel vir a ser a fornecedora de papel de material de escritório à casa-mãe norte-americana", o que implicará fornecer não só Portugal mas também os 27 países onde a retalhista tem presença.

Em comunicado à CMVM, a empresa esclarece que "no âmbito de aumento de capacidade de produção de papel em curso, o grupo Portucel Soporcel tem intensificado contactos com os vários canais de distribuição entre os quais, grupos internacionais especialistas na distribuição de papel, de consumíveis de escritório e de artigos de papelaria".

A generalidade destes canais "tem mostrado grande interesse em distribuir as marcas do grupo Portucel Soporcel, com particular destaque para a Navigator e a Pioneer", acrescenta a empresa

"É neste âmbito que devem ser enquadradas as discussões que o grupo Portucel tem desenvolvido a nível internacional, ao longo dos últimos meses, com a Staples Inc", conclui a mesma fonte, acrescentando que o grupo uma vez que o grupo comercializa as suas marcas em mais de 80 países dos cinco continentes "é natural que grande parte destas discussões se concentre no desenvolvimento de parcerias pluri-continentaias".

Os analistas do BPI vêem com bons olhos que a Portucel se torne no fornecedor de papel da Staples uma vez que vau "estender as suas parcerias a uma escala mundial".

BPI diz que Portucel vai aumentar exposição a um negócio com margens mais elevadas

"Como já tínhamos referido, este contrato é positivo porque, em primeiro lugar permitirá a Portucel aumentar ainda mais a sua exposição a um negócio que normalmente tem margens mais elevadas e, depois parte da capacidade de 500 toneladas de papel UWF que se espera que a empresa traga para o mercado no terceiro trimestre de 2008 seria colocada fora dos mercados europeus acalmando o lado dos fornecimentos".

As acções da Portucel ganhavam 1% para os 2,03 euros depois de ter disparado mais de 4% na sessão de sexta-feira na sequência desta notícia.


Data: 2008-02-06  |  Fonte: Jornal de Negócios Online

 

 

François Vessiére.
François Vessiére, figura amplamente conhecida no sector, situação reforçada pelo facto de ter sido Presidente da EUCEPA e Vice-Presidente da ATIP, entre outras funções congéneres, encontra-se actualmente a iniciar uma nova etapa da sua destacada carreira profissional.

François Vessiére, figura amplamente conhecida no sector, situação reforçada pelo facto de ter sido Presidente da EUCEPA e Vice-Presidente da ATIP, entre outras funções congéneres, encontra-se actualmente a iniciar uma nova etapa da sua destacada carreira profissional. Monsieur Vessiére foi um elemento activo na Associação Congénere de França, a ATIP, e, como referido, presidiu a Associação Europeia EUCEPA, da qual a Tecnicelpa é membro.

Na evolução da sua carreira, destacam-se funções de alto nível tecnológico em importantes grupos como CONDAT, LECTA, ARJO WIGGINS GROUP, PAPETERIES DE L’LAA e ARJOMARI. Manteve por largos períodos, funções directivas no C.T.P. e na E.F.P.G. de Grenoble - FRANÇA.

A sua actividade no sector foi igualmente reconhecida pelo estado Francês, que lhe atribuiu a distinção de ‘Chevalier de la Légion d’Honneur’.

(contacto: francois.vessiere@wanadoo.fr).


Data: 2008-01-21

 

 

Altri atinge recorde de produção em 2007.
O Grupo Altri registou no ano de 2007 um recorde absoluto de produção em todas as suas unidades industriais, Celbi, Celtejo, Caima e CPK, tendo atingido as 639 mil toneladas, o que representa um crescimento médio de 5% face ao ano de 2006, anunciou o grupo liderado por Paulo Fernandes.

Na performance das unidades industriais, refere a comunicação divulgada através da CMVM, destaque para os crescimentos verificados na Celbi de 6,8% para as 325 mil toneladas de pasta de papel produzida face às 304 mil toneladas verificadas em 2006 e para a CPK, que produz papel kraftsaco, com um aumento de produção de 8,1% para as 62,9 mil toneladas.
Na Caima o crescimento foi de 2,2%, tendo a capacidade instalada atingido 111,9 mil toneladas de pasta de papel. A Celtejo também aumentou a sua produção para as 139,2 mil toneladas de pasta de papel, ou seja, mais 1,3% que em 2006.

No futuro próximo a empresa «prevê aumentar a sua capacidade de produção», com especial destaque para a Celtejo e para a Celbi.

A Altri «estima atingir em 2010 uma capacidade de produção total de 910 mil toneladas de pasta, facto que coloca a empresa entre as 10 maiores do mundo na área da pasta de eucalipto», antecipa a empresa.


Data: 2008-01-11  |  Fonte: Dinheiro Digital

 

 

Competitividade dos "players" portugueses de pasta e papel vai continuar sustentada.
Os eficientes processos de gestão de florestas, a tecnologia de produção de pasta e a proximidade aos mercados europeus mantém a competitividade dos “players” portugueses de pasta e papel, com as fábricas mais eficientes a apresentar margens mais próximas dos produtores da América Latina do que dos congéneres ibéricos, considera o Millennium bcp investimento.

Os eficientes processos de gestão de florestas, a tecnologia de produção de pasta e a proximidade aos mercados europeus mantém a competitividade dos "players" portugueses de pasta e papel, com as fábricas mais eficientes a apresentar margens mais próximas dos produtores da América Latina do que dos congéneres ibéricos, considera o Millennium bcp investimento.

Numa nota de "research" de segunda-feira, o banco acrescenta que os preços da pasta de papel de eucalipto (BHKP) em euros subiram 4% em um mês, frisando que os preços da pasta têm demonstrado mais estabilidade nos últimos dois anos do que na primeira metade da década. A desvalorização da moeda norte-americana foi uma das principais influências na subida dos preços em dólares.

Relativamente aos níveis dos "stocks" de pasta, na Europa, estes alcançaram um mínimo de 10 anos desde Março, podendo, contudo, estar a dar início a um período de crescimento depois de uma ligeira subida em Agosto.

O Millennium bcp investimento acredita que depois de uma pequena descida, os preços de papel parecem regressar à tendência de crescimento. "Esta tendência nos preços de papel europeus parece sólida e de acordo com o normal ciclo de preços", refere a nota.

O banco estima ainda que após ter atingido em Julho de 2006 a maior descida anual, a procura de pasta começa a recuperar e a alcançar novamente um crescimento positivo depois de Junho de 2007.

O provável aumento na produção de pasta e papel na Rússia deverá afectar a actual distribuição geográfica da produção mundial. O fornecimento é condicionado pelo acesso aos preços das diferentes matérias-primas e à tecnologia. A vantagem das regiões com clima tropical, garantindo preços mais baratos dos materiais, deverá continuar a influenciar as diferenças entre os produtores de pasta.


Data: 2008-01-10  |  Fonte: Jornal de Negócios Online

 

 

MERCADO DE LENÇOS DE PAPEL DEVERÁ CRESCER MAIS DE 10 % ATÉ 2010
Um estudo da European Tissue Symposium (ETS) – The European Tissue Paper Industry Associantion, aponta para um mercado europeu no valor de mais de 1,4 mil milhões de euros.

Um estudo da European Tissue Symposium (ETS) – The European Tissue Paper Industry Associantion, aponta para um mercado europeu no valor de mais de 1,4 mil milhões de euros. Os investimentos em inovação e em visibilidade no ponto de venda mantém-se como os principais impulsionadores das vendas totais da categoria, especialmente nas épocas altas, de acordo com o estudo. A Suiça destaca-se de longe com o maior consumo a nível europeu, seguido pela Hungria, Alemanha, Áustria e França. Já os países do Leste Europeu são, de uma forma geral, os que menos consomem, seguidos de perto por Portugal. Quando comparados com o nível de consumo da Suiça, o total de consumo europeu evidencia um potencial de crescimento de 230 % (4,6 mil milhões de euros), conclui o estudo. Entre 2005 e 2010, o crescimento do mercado europeu rondará os 10 %, sendo que 41 % é já representado pelo segmento de lenços compactos.


Data: 2007-01-08  |  Fonte: Dia D, nº 68 de 05.01.2007

 

 

Lucros da Portucel sobem 123,6% até Setembro.
A Portucel obteve 94,99 milhões de euros de lucro nos primeiros nove meses deste ano, uma subida de 123,6% face a igual período no ano passado, informou esta quinta-feira a empresa de pasta de papel em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O volume de negócios cifrou-se em 794,16 M€, um incremento de 6,7%, enquanto o EBITDA ascendeu a 234,96 M€, um crescimento homólogo de 26,6%.
«As vendas do Grupo beneficiaram do aumento do volume de vendas de papel e da evolução positiva dos preços, quer do papel quer da pasta», refere a empresa.

A Portucel sublinha ainda que o seu endividamento decresceu em 27,2% e que os resultados operacionais melhoraram em 76%, para 162,8 M€.

«Para além da já referida evolução positiva nas vendas, o bom desempenho operacional reflecte também o contínuo esforço de melhoria de eficiência e de redução de custos, que se traduziu principalmente numa redução significativa dos custos variáveis unitários de produção, dos custos de manutenção e dos custos recorrentes de pessoal», destaca a Portucel.


Data: 2006-11-27  |  Fonte: Diário Digital

 

 

Lucros da Portucel sobem 123,6% até Setembro
A Portucel obteve 94,99 milhões de euros de lucro nos primeiros nove meses deste ano, uma subida de 123,6% face a igual período no ano passado, informou esta quinta-feira a empresa de pasta de papel em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A Portucel obteve 94,99 milhões de euros de lucro nos primeiros nove meses deste ano, uma subida de 123,6% face a igual período no ano passado, informou esta quinta-feira a empresa de pasta de papel em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).


Data: 2006-11-24  |  Fonte: Diário Digital

 

 

Portucel deve valorizar mais de 20% as suas acções.
Se fossem hoje vendidas, os títulos da portucel teriam um valor de 2,13 euros. Os analistas dizem que as acções têm um potencial de valorização até 27%, após a Oferta Pública de Venda.

A última fase de privatização da Portucel promete ser um bom negócio para os investidores, de acordo com o preço definido e as perspectivas de valorização nos próximos meses.
As acções da empresa já ganharam mais de 30% desde o início do ano, mas os analistas contactados pelo DE acreditam que se mantém, ainda assim, o potencial de valorização.
Os últimos preços-alvo conhecidos apontam uma avaliação média à volta de 2,7 euros por acção, o que está 21,6% acima da cotação de fecho de ontem. No entanto, o preço indicativo para a Oferta Pública de Venda (OPV) está agora nos 2,13 euros. Isto porque, não havendo lugar a venda directa ou ‘bookbuilding’, o preço final será determinado pela média das cotações de fecho da Portucel nesta semana e na semana passada, valor ao qual será abatido um desconto de 5%. A Parpública havia já definido o intervalo final entre 2 e 2,2 euros por acção, sendo que todos estes cálculos, aos preços das duas últimas semanas, apontam para um valor final de 2,13 euros.
“O preço parece-me bastante convidativo e acredito no potencial de crescimento da acção”, afirmou ao DE João Mateus, analista do BCP Investimento, que tem um preço-alvo de 2,65 euros por acção, ainda com referência ao final de 2006. “Parece-me claro que há condições de que a cotação tenda a ajustar aos preços-alvo, que andam genericamente à volta deste valor [2,65 euros]”, acrescenta o analista.
Também a Caixa BI considera que as acções da Portucel têm condições para continuar a subir. O preço-alvo da instituição é de 2,8 euros, a um ano, tendo em linha de conta que todos os investimentos correm bem e que os vários pressupostos dos incentivos financeiros e fiscais são cumpridos, explica a analista Sónia Baldeira.
“É um momento bom para a pasta e papel, por causa da subida dos preços “, refere a mesma fonte, que acredita que esta tendência se manterá até final do primeiro semestre de 2007.
Os analistas salientam a importância da entrada em funcionamento da nova máquina de papel. Este “é um bom investimento, com ou sem apoios comunitários”, refere João Mateus, do BCP.
A opção da Parpública em vender em OPV a totalidade dos 25,72% ainda detidos na Portucel, cumprirá “o objectivo de aumentar a dispersão da empresa em bolsa, estimulando os negócios e animando a cotação”, segundo o mesmo analista. A previsível entrada no PSI 20 (ver página 29) é outro trunfo que pode levar as acções a novos ganhos.
Com esta operação, o Estado vai conseguir um encaixe de entre 395 e 434 milhões de euros.


Data: 2006-11-07  |  Fonte: Diário Económico

 

 

25 Anos de Papel I/E com 100 % de Pasta de Eucalipto
Comemora-se no próximo dia 14 de Dezembro 25 anos que foi pela primeira vez na Europa fabricado papel de impressão e escrita com 100 % de pasta de eucalipto.

Comemora-se no próximo dia 14 de Dezembro 25 anos que foi pela primeira vez na Europa fabricado papel de impressão e escrita com 100 % de pasta de eucalipto. O facto verificou-se na Máquina de Papel 1 da então Inapa, hoje Fábrica de papel de Setúbal do grupo Portucel Soporcel. Culminando uma longa série de trabalhos laboratoriais, experiências e de investimentos, foi então possível fabricar de forma consistente, continuada e estável um papel “offset” com a componente fibrosa totalmente constituída por pasta de eucalipto.

A revista Pasta e Papel de Outubro dedica um dossier completo sobre esta efeméride, onde alguns dos intervenientes nesse projecto apresentam o seu depoimento: João José Sá Nogueira, Henrique Dominguez, Júlio Manuel Bonifácio Lopes e Eduardo Silva.

A não perder!





Data: 2006-10-22  |  Fonte: Revista Pasta e Papel, Outubro de 2006

 

 

Os biocombustíveis crescem 66% na Europa.
A Comissão iniciou um processo de inquérito solicitando a opinião das autoridades públicas, companhias, organizações não governamentais e outras partes interessadas sobre os biocombustíveis.

La UE produjo 3,9 millones de toneladas de bio-combustibles el pasado año, con un aumento del 65,8% sobre las cifras de 2004. Según el barómetro preparado por Observ’ER, la industria de los bio-combustibles en Europa incluye el bio-diesel y el bio-etanol. El sector del bio-etanol ha sufrido un aumento del 70,5% entre 2004 y 2005. España lidera la producción de bio-etanol con 240.000 toneladas, seguida por Suecia y Alemania. Las 721.927 toneladas totales de bio-etanol producidas proceden del alcohol de vino vendido en la UE. El recuento del bio-etanol es “menos preciso” que otros sectores, y hay diferencias en los datos entre las asociaciones de productores y los gobiernos. Otra dificultad consiste en la determinación del porcentaje de bio-etanol producido a partir de alcohol de vino e nivel nacional.


Data: 2006-08-10  |  Fonte: Refocus Weekly

 

 

O custo da electricidade de uso industrial cresce 16% na UE entre 2005 e 2006.
Os dados mais recentesda Eurostat mostram que o custo da electricidade aumentou 16% no sector industrial entre Janeiro de 2005 e Janeiro de 2006.

Los datos más recientes de la Oficina Europea de Estadística (Eurostat) muestran que el coste de la electricidad ha aumentado un 5% en los hogares y un 16% en el sector industrial entre enero de 2005 y el mismo mes de 2006 en la UE ampliada, a pesar de que los impuestos aplicables a su uso oscilaron entre el 5% de Malta y el 58% de Dinamarca. El precio de la electricidad en los hogares aumentó un 4,6% en los veinticinco entre los meses de enero de 2005 y 2006, siendo muy inferior al incremento observado en el sector industrial, donde el coste eléctrico aumentó hasta un 15,5% en el mismo periodo. Esos precios han variado en función de los países. En lo que a los hogares se refiere, los más altos se registraron en Chipre (31,4%), Malta (23,3%) y el Reino Unido (14,2%) y los más bajos en Bélgica y Austria, donde los precios de la electricidad fueron incluso más bajos que el año anterior. En cuanto al sector industrial, los precios más elevados fueron los de Chipre (38,4%), Reino Unido (36,2%), Suecia (30,5%) y Bélgica (25%), mientras que los valores en Finlandia y Eslovaquia resultaron inferiores a los alcanzados en 2005 (-1,7 y -18,8%, respectivamente).


Data: 2006-08-07  |  Fonte: AMDPRESS

 

 

O negócio do sector papeleiro em Espanha cresce 10% até Maio.
A produção de papel em Espanha teve um incremento de 10% entre Janeiro e Maio de 2006 em relação ao mesmo período do ano passado que foi um total de 2.675.800 toneladas. Este crescimento é bastante superior ao valor médio de 1,8% do sector na EU. O sector investiu mais de 1.200 milhões de euros em novas instalações, que entraram em funcionamento em 2005 ou entrarão entre 2006 e 2007. Segundo a ASPAPEL, a rentabilidade do sector está condicionada com a evolução do mercado energético do gás e da electricidade.

La producción de papel en España experimentó un incremento del 10% entre enero y mayo de 2006, con respecto al mismo periodo del año pasado, un total de 2.675.800 toneladas. Este crecimiento es notablemente superior a la media del 1,8% del sector en la UE. El sector ha invertido más de 1.200 millones de euros en nuevas instalaciones, que entraron en funcionamiento en 2005 o lo harán en el periodo 2006-2007. Estas nuevas plantas suponen un aumento de la capacidad de producción de un 25%, 1,5 millones de toneladas adicionales respecto de 2005. Para el 2006, el sector prevé consolidar el aumento de la producción de los últimos años. Según ASPAPEL, la rentabilidad del sector está condicionada a la evolución del mercado energético del gas y la electricidad.


Data: 2006-07-24  |  Fonte: CincoDías (8-9.07.06)

 

 

Espanha recicla 59% do papel que consome.
Espanha recupera e recicla 59% do papel que consome, e no passado ano superou pela primeira vez a barreira dos 4 milhões de papel usado.

España recupera y recicla el 59% del papel que consume, según datos de ASPAPEL, que señala que el pasado año España superó por primera vez la barrera de los 4 millones de papel usado, alcanzado en concreto la cifra de 4.322.600. Esta cifra récord supone además un ahorro de superficie de vertedero equivalente “a más de 40 grandes estadios de fútbol como el Bernabéu o el Camp Nou, llenos hasta arriba”, según ASPAPEL. “Estas cifras récord nos sitúan ya prácticamente en la media de la UE (60%) y acercándonos a países en que la recuperación tiene más tradición, como Alemania (74%) o Noruega (72%). Además, los datos revelan que la industria papelera española es líder en reciclaje de la UE. Según ASPAPEL, por cada 10 kilos de papel que se fabrican en España se utilizan como materia prima 8 kilos de papel usado. El otro método de reciclaje se lleva a cabo a través de la recogida selectiva municipal (contenedor azul, puntos limpios y recogida puerta a puerta del pequeño comercio y oficinas). Por comunidades autónomas, el récord de recogida selectiva municipal de papel para su reciclaje lo ostentan Baleares y Navarra con 40 kilos por habitante.


Data: 2006-07-24  |  Fonte: El Mundo Digital (06.07.06)

 

 

China's Paper Production Industry Increased By 15.1% From 2003 To 2004

In 2004, the Chinese government implemented broad macro economic regulations to curb its overheated industries and slow down fixed asset investment growth. However, China's GDP reached 9.5% in 2004, much higher than the targeted 7% by the Chinese government. As a result of the overall economic growth, China's papermaking industry saw positive developments in 2004. Total paper and paperboard production reached 49.5 million tons, 6.5 million tons or 15.1% more than in 2003. Total paper and paperboard consumption reached 54.4 million tons, 6.3 million tons or 13.2% more than in 2003. Production and consumption growth rates in 2004 were even faster than those in 2003; 13.8% and 10.9% respectively.

In 2004, the overall profitability of China papermaking industry improved substantially. Paper mills in China earned sales revenue of RMB 200.9 billion (US$24.3 billion) combined, 21% more than in the previous year. Before-tax profit amounted to RMB 18.5 billion (US$2.2 billion), 15% over the previous year. The net profit reached RMB 10 billion (US$1.2 billion), 17% over the previous year. Foreign invested companies and private companies have been playing an increasingly important role in the paper industry. In 2004, foreign invested companies contributed 28.6% to industry sales revenue and account for 40% of industry net profit while collective and private companies accounted for 46.6% of sales revenue and 35.8% of net revenue.

China's newsprint manufacturers could relax as newsprint prices rebounded twice totaling RMB 500-600/mt in 2004. Since 2001, the prices saw steady declines for three years. In 2004, art paper consumption soared to 2.74 million tons, 20.7% over 2003. Rapid consumption growth moderated the pressures from capacity buildup in 2005 effectively. Offset book paper consumption and production growth remained stable, with its consumption and production reaching 5.75 million tons and 5.5 million tons respectively in 2004. Tissue paper consumption grew at 10.1%, outpacing national GDP growth. Tissue paper was among China's most important exports, accounting for 22% of total export volume in 2004. Fluting medium consumption reached 9.21 million tons, an increase of 14.8%, 1.11 million tons more than production. The consumption gap was only for high strength grade while low and medium grade fluting medium consumption was equal to its production. The gap had to depend on import. Liner board and white paper board experienced rapid growth of 20% or so in terms of consumption and production. In these two grades, consumption exceeded production by 1.26 million tons and 1.02 million respectively.

In line with China's commitment to WTO terms, paper and paper board tariffs continued to adjust lower in 2004. Art paper, kraft, linerboard and duplex board tariffs went declined from 7% to 5%. Fluting medium tariffs slipped from 11.7% to 8.3%. However, as domestic production increased heavily and domestic paper and paperboard quality improved significantly, China's domestic market made more gains towards self-sufficiency with imported paper and paperboard falling to 6.14 million tons, 3.3% less than in previous years.

The structure of China's raw material industry has improved gradually. Waste paper pulp breakdown increased to 52% of the country's total pulp consumption from 49% in 2003. Wood pulp breakdown increased to 22% from 21% in 2003. Meanwhile, non-wood pulp breakdown dropped to 26% from 30% by as many as four percentage points. As far as raw material was concerned, Chinese paper production quality experienced significant increase in 2004. In 2004, China's imported pulp reached 7.32 million tons and waste paper 12.3 million tons, 21% and 31% more than previously. The pulp to waste paper pulp import ratio was increased to 52.1% from 49.6% in 2003. China's fiber resource however, showed more dependence on import, which could add more risk to the sustained development of China's papermaking industry.


Data: 2005-12-05  |  Fonte: Research and Markets

 

 

Celulose do Caima cresce 30%

A Caima chegou ao final do ano com uma produção de pasta de papel superior a 105 mil toneladas, um aumento de 3,5% relativamente ao ano anterior e uma evolução de 40% desde a entrada da COFINA na gestão da Celulose do Caima, o que aconteceu em 1998.
De Janeiro a Setembro de 2003, e contrariando a tendência de mercado nacional e internacional da produção de pasta de papel, os resultados líquidos da Celulose do Caima aumentaram 30% face ao período homólogo , situando-se no 5,628 milhões de Euros.
A contratação de um novo investimento de cerca de 12 milhões de Euros com a API vão permitir à Celulose do Caima atingir cerca de 115 mil toneladas nos próximos anos.
A Celulose do Caima é o segundo maior produtor florestal nacional de eucalipto a seguir à Portucel e explora cerca de 24.000 de hectares de floresta.



Data: 2004-01-22  |  Fonte: O Semanário

 

 

Lucros da Caima aumentam 50%

A Celulose do Caima, empresa participada da Cofina para o sector da pasta e papel, que está a concorrer à privatização da Portucel, anunciou hoje que os lucros do primeiro semestre aumentaram 50%, atingindo 4,232 milhões de euros.

Os resultados operacionais ascenderam a 4,227 milhões de euros, também mais 50% que no período homólogo, «tendo o EBITDA atingido os 7,20 milhões de euros e registando um aumento de 24%», anunciou a empresa em comunicado.

Os resultados antes de impostos cresceram 69%, passando de 3,3 milhões para 5,4 milhões de euros. Mas o volume de negócios (vendas e prestação de serviços) da companhia recuou 3%, passando de 23,8 milhões para 23,1 milhões de euros.

De acordo com o comunicado da Caima o aumento dos resultados da empresa «traduz os bons níveis de eficiência e de eficácia da organização em todas as suas vertentes - comercial, industrial, florestal e ambiental», nomeadamente «num período em que todo o sector da pasta de papel a nível mundial viu os seus resultados extremamente diminuídos».

Na actividade comercial, as vendas da Celulose do Caima registaram um decréscimo de 8% face a igual período do ano passado. Em termos quantitativos, as vendas fixaram-se nas 49,5 mil toneladas, o que se traduziu num recuo de 9% na facturação.

Também na actividade industrial a produção diminuiu 6,2%, para 49,7 mil toneladas, o que a administração da empresa justifica pela «paragem anual da fábrica durante o mês de Junho», que penaliza o primeiro semestre, mas não deverá condicionar o desempenho anual de 2003. A empresa estima um crescimento de 4% no valor anual de produção de pasta em relação a 2002.


Data: 2003-09-03

 

 

Lucro da Europac cai 24%

A Europac, a companhia espanhola accionista da Gescartão em parceria com o grupo Sonae, obteve um lucro de 2,8 milhões de euros no primeiro semestre deste ano, menos 23,6% do que no mesmo período do ano passado.

Segundo um comunicado da companhia, esta diminuição deve-se «à redução do preço do papel ‘kraftliner’, provocada pela debilidade do dólar americano ao longo do exercício». Apesar destes resultados, o segundo trimestre apresentam uma recuperação de 26,4% em relação ao primeiro.

Nos primeiros seis meses do ano, a facturação caiu 5,9%, atingindo os 82 milhões de euros. Para este valor contribuiu a divisão de papel, com 40,3 milhões de euros, seguida da divisão de cartão, com 40,2 milhões de euros.

Em 2002, o volume de negócios do grupo espanhol ascendeu a 170,3 milhões de euros e os resultados líquidos situaram-se nos 13,6 milhões de euros.


Data: 2003-09-01  |  Fonte: DE

 

 

M-real fixa meta de 30% na Portucel

Os finlandeses da M-Real, um dos grupos na corrida à privatização da Portucel, comprometeu-se a não reforçar a posição na papeleira nacional além de 30% nos próximos cinco anos, caso vença o concurso para ficar com 25% da empresa portuguesa, no qual está envolvido também o consórcio Cofina/Lecta.

Uma garantia que poderá vir a ser anulada caso ocorra alguma alteração significativa na estrutura accionista da empresa portuguesa, como uma eventual OPA hostil ou a venda dos 33,4% controlados pelo Estado.

O compromisso é encarado pelo Governo como um critério de valorização adicional das propostas apresentadas pelos dois candidatos.


Data: 2003-07-30

 

 

Cofina vende 10,17% da Celulose do Caima ao Banco BIG

A Cofina, SGPS, SA alienou no passado dia 22 de Janeiro de 2003, no mercado fora de bolsa, à sociedade Banco de Investimento Global, SA, um lote de 2.200.000 acções escriturais de valor nominal de 1 euro cada, correspondentes a 10,17% do capital social da Celulose do Caima, SGPS, SA, pelo valor unitário de 3,80 euros por acção, anunciou a empresa em comunicado.

De acordo com a empresa “a Cofina, SGPS, SA, passou a deter 14.437.194 acções da Celulose do Caima, SGPS, SA, correspondentes a 66,7% do capital social e 74,1% dos direitos de voto desta Sociedade”.


Data: 2003-01-24

 

 

Governo admite vender até 30% da Portucel se falhar a privatização

O Governo admite "alienar um lote indivisível de acções representativas de até 30 por cento do capital social da Portucel", no caso de vir a falhar o modelo de privatização delineado. Esta possibilidade é admitida no decreto-lei ontem publicado e que regula a privatização, onde se pode também ler que, caso não sejam adoptadas, no prazo determinado, as deliberações da assembleia geral da Portucel, ou caso não venha a ser seleccionado um concorrente vencedor no âmbito do concurso, a venda de até 30 por cento será feita "ao concorrente que venha a ser escolhido no âmbito de um novo concurso".

Recorde-se que o modelo de privatização contempla a entrada de um parceiro do sector da pasta e papel por via de aumento de capital até 25 por cento do actual valor e a venda directa e subsequente dispersão de acções junto de investidores institucionais e que não poderá exceder 15 por cento do capital. Com a publicação do decreto-lei segue-se, agora, o lançamento do caderno de encargos o que, segundo palavras do ministro da Economia, deverá acontecer até ao final do mês. Entretanto, terá agora que ser convocada a assembleia geral da Portucel com vista a aprovar, ou não, o aumento de capital previsto na privatização.

Recorde-se que foi anunciado, na passada terça-feira, o fim da parceria estabelecida entre a Sonae SGPS e os brasileiros da Suzano para concorrem à privatização da Portucel. Ontem, em declarações ao "Negócios.pt", o administrador da Bahia Sul (subsidiária da Suzano) frisou: "Não negamos o interesse em controlar a Portucel". Sobre o fim da parceria, Bernardo Szpigel adiantou que a Suzano "não perde dinheiro nesta operação", admitindo mesmo que a empresa teve "um certo ganho, apesar de o valor ser idêntico ao investido [136 milhões de euros].


Data: 2003-01-16

 

 




TECNICELPA
Associação Portuguesa dos Técnicos das Indústrias de Celulose e Papel

Termos, Condições Gerais e Privacidade

Estatutos da Tecnicelpa

Up
TECNICELPA
Rua Amorim Rosa, 38, 1º Dto.
2300-450 TOMAR
PORTUGAL

Telefone: +351 249 324 858 • Telemóvel e WhatsApp: +351 919 373 636
E-mail: info@tecnicelpa.com
Powered by OTUOC